• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


O quarteto sueco Honeymoon Disease toca música principalmente influenciada pelo rock dos anos 70 e estão dispostos a espalhar a sua mensagem pelo mundo. Eles acabaram de lançar o 2º álbum "Part human, mostly beast" e a Metal Imperium teve uma conversa com Jenna.

M.I. - Por quê o nome Honeymoon Disease?

Honeymoon Disease é absolutamente a melhor maneira de resumir esta banda. Estamos em lua de mel constante com tudo incluído. Nós tocamos a nossa música, dançamos o groove e cantamos sobre as nossas vidas e as nossas experiências. Esta vida que escolhemos para viver é definitivamente como um vício, uma doença, uma doença de lua de mel.


M.I. - A banda formou-se em 2014... como descreveriam a banda a alguém que ainda não ouviu o vosso som?

Honesto groovy rock de Gotemburgo com muitas influências dos anos 70.


M.I. – Os Honeymoon Disease lembram-me os Abba na aparência, mas vocês já tocaram mascarados como os Kiss. Por que estão a tentar copiar o aspecto de outras bandas?

Haha! Sim, uma vez por ano, os nossos sonhos de infância realmente se tornam realidade, no Halloween. Vestimo-nos como os Kiss e tocamos ao vivo! Todo o pessoal fica completamente louco!


M.I. - Nas fotos de promoção e no logótipo da banda, o amarelo escuro está em todo o lado. É porque é uma cor retro ou realmente gostam dela?

Nós adoramos ganga e amarelo. Eu não sabia que era categorizado como cor "retro"?


M.I. – Bem, era uma cor extremamente usada nos anos 70, então usei a palavra retro. Vocês curtem o rock dos anos 70?

Claro.


M.I. - Quais as bandas / músicos que vos nspiraram a ser músicos?

Kiss, definitivamente Kiss. O meu primeiro disco foi “Destroyer” e, honestamente, acho que a única a querer ser o seu quinto membro de Kiss! Esse álbum levou-me numa fabulosa viagem até Nangiala e trouxe-me de volta!


M.I. - O logótipo da banda possui um carro clássico e vocês atraem motociclistas ... por que estão tão fascinado com esse mundo?

Eu não acho que somos as únicas pessoas que estão fascinadas pela cultura e a vida dos motociclistas e viciados em carros. A velocidade, a criatividade, as roupas e o som dos motores, essas coisas são mais ou menos exactamente como a cultura rock n roll. É impossível não se gostar!


M.I. - A banda tem estado bastante activa pois lançou material todos os anos desde a sua formação... tanta criatividade, não?

Somos pessoas criativas e, como todas as pessoas criativas, queremos que as coisas aconteçam. Temos muitas ideias e queremos mostrar a todos, o mais rápido possível, o que estamos a fazer. Acho que é por isso que estamos sempre a bombardear o pessoal com coisas novas!


M.I. – O vosso novo álbum é "Part human, mostly beast"... qual é a principal mensagem?

Pensamos que o título realmente é fácil de compreender. Eu acho que todos podemos sentir que, às vezes, somos mais humanos ou mais animais. Para nós, o lado da fera é mais frequentemente mostrado nos nossos concertos quando nos tornamos loucos em palco e mostramos as bestas que temos dentro de nós! A parte humana é, naturalmente, também uma parte da banda ao vivo e como escrevemos as músicas, mas tem mais a ver com emoções e sentimentos escritos entre as linhas... acho que esse lado de nós é mostrado mais no álbum. 


M.I. - Qual é a sua música favorita do álbum? Por quê?

Na verdade, é uma escolha difícil, mas acho que diria "Night by night" e "Rymdvals". "Night by night" é uma canção de verdadeira diversão tanto para jogar como para cantar e tem esse sentimento misterioso constante do primeiro tom. "Rymdvals" é um favorito porque é uma música pessoal real para mim. Foi escrito em um momento em que eu estava perdendo controle por causa do estresse e das ansiedades. Esta música foi realmente uma ajuda para voltar e lutar.


M.I. - Sobre que são as letras?

As nossas letras são principalmente sobre experiências da vida real e sobre o que sentimos sobre coisas diferentes. São definitivamente sempre humanas e honestas.


M.I. - Já existem pelo menos 2 vídeos para novas músicas... como é que os fãs estão a reagir?

As reacções foram excelentes! Eu, realmente, acho que estamos a dar aos fãs vídeos que eles desejam ver e, claro, que queremos fazer e ver também!


M.I. - Quando comparado ao álbum de estreia "The Transcendence", qual foi o mais complicado de escrever e gravar?

O progresso da escrita no novo álbum foi mais bem sucedido e também os arranjos em comparação com “The Transcendence”. O progresso da gravação em "Part human, mostly beast" também foi mais pensado, mas foi definitivamente difícil de fazer, porque gravamos tudo ao vivo. Sobre tudo, foi muito suave, mas agarrar no sentimento ao vivo, mesmo que estejas em estúdio, é difícil, mas acho que nós o conseguimos fazer!


M.I. - Como se sentem quando outras bandas fazem covers das vossas músicas? (Estou a pensar na cover de "Electric Eel" feita pela banda brasileira Black Venusa)

É uma grande honra, é claro! É tão porreiro ver que as pessoas gostam tanto das nossas músicas que querem fazer uma cover delas! Quero dizer, uau!


M.I. - O público parece apreciar a vossa energia em palco. Quão complicado é cativar uma audiência hoje em dia?

Eu não acho complicado, enquanto estiveres no palco e mostrares isso ao público. Dá-lhes o que tu queres e o que eles querem e terás uma explosão tanto para a banda como para o público!


M.I. - Existe algum festival em que os Honeymoon Disease gostariam de tocar? Em caso afirmativo, qual?

Hm, essa é uma pergunta difícil, há muitos festivais bons! Para mencionar alguns, gostaríamos de tocar no Keep it true, Freak Valley, Hellfest e Sweden Rock.


M.I. - Os membros da banda estão envolvidos em outros projetos? Quais?

Estamos a trabalhar a 200% com Honeymoon Disease, de modo que realmente não temos muito tempo para ter projectos além disso. Mas o Cedric realmente tem um projecto chamado "Aphuset", um verdadeiro projecto de blues rock.


M.I. - Como músicos, qual o vosso principal objetivo a longo prazo?

Quando falamos de metas a longo prazo, falamos sobre os próximos dois anos, como já mencionei antes, estamos sempre a querer mais e mais e queremos que as coisas aconteçam agora e não daqui a algum tempo. Então, os nossos objetivos são definitivamente fazer mais tournées, especialmente nos Estados Unidos e no Canadá (temos muitos fãs lá que desejam ver os HMD), lançar mais músicas e vídeos e simplesmente continuar a tocar rock n 'roll e a levá-lo ao limite!


M.I. - Por favor, partilhem uma mensagem com os leitores do Metal Imperium. Rock on!

Continuem a espalhar a Doença!

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca