• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


O quarteto sueco Honeymoon Disease toca música principalmente influenciada pelo rock dos anos 70 e estão dispostos a espalhar a sua mensagem pelo mundo. Eles acabaram de lançar o 2º álbum "Part human, mostly beast" e a Metal Imperium teve uma conversa com Jenna.

M.I. - Por quê o nome Honeymoon Disease?

Honeymoon Disease é absolutamente a melhor maneira de resumir esta banda. Estamos em lua de mel constante com tudo incluído. Nós tocamos a nossa música, dançamos o groove e cantamos sobre as nossas vidas e as nossas experiências. Esta vida que escolhemos para viver é definitivamente como um vício, uma doença, uma doença de lua de mel.


M.I. - A banda formou-se em 2014... como descreveriam a banda a alguém que ainda não ouviu o vosso som?

Honesto groovy rock de Gotemburgo com muitas influências dos anos 70.


M.I. – Os Honeymoon Disease lembram-me os Abba na aparência, mas vocês já tocaram mascarados como os Kiss. Por que estão a tentar copiar o aspecto de outras bandas?

Haha! Sim, uma vez por ano, os nossos sonhos de infância realmente se tornam realidade, no Halloween. Vestimo-nos como os Kiss e tocamos ao vivo! Todo o pessoal fica completamente louco!


M.I. - Nas fotos de promoção e no logótipo da banda, o amarelo escuro está em todo o lado. É porque é uma cor retro ou realmente gostam dela?

Nós adoramos ganga e amarelo. Eu não sabia que era categorizado como cor "retro"?


M.I. – Bem, era uma cor extremamente usada nos anos 70, então usei a palavra retro. Vocês curtem o rock dos anos 70?

Claro.


M.I. - Quais as bandas / músicos que vos nspiraram a ser músicos?

Kiss, definitivamente Kiss. O meu primeiro disco foi “Destroyer” e, honestamente, acho que a única a querer ser o seu quinto membro de Kiss! Esse álbum levou-me numa fabulosa viagem até Nangiala e trouxe-me de volta!


M.I. - O logótipo da banda possui um carro clássico e vocês atraem motociclistas ... por que estão tão fascinado com esse mundo?

Eu não acho que somos as únicas pessoas que estão fascinadas pela cultura e a vida dos motociclistas e viciados em carros. A velocidade, a criatividade, as roupas e o som dos motores, essas coisas são mais ou menos exactamente como a cultura rock n roll. É impossível não se gostar!


M.I. - A banda tem estado bastante activa pois lançou material todos os anos desde a sua formação... tanta criatividade, não?

Somos pessoas criativas e, como todas as pessoas criativas, queremos que as coisas aconteçam. Temos muitas ideias e queremos mostrar a todos, o mais rápido possível, o que estamos a fazer. Acho que é por isso que estamos sempre a bombardear o pessoal com coisas novas!


M.I. – O vosso novo álbum é "Part human, mostly beast"... qual é a principal mensagem?

Pensamos que o título realmente é fácil de compreender. Eu acho que todos podemos sentir que, às vezes, somos mais humanos ou mais animais. Para nós, o lado da fera é mais frequentemente mostrado nos nossos concertos quando nos tornamos loucos em palco e mostramos as bestas que temos dentro de nós! A parte humana é, naturalmente, também uma parte da banda ao vivo e como escrevemos as músicas, mas tem mais a ver com emoções e sentimentos escritos entre as linhas... acho que esse lado de nós é mostrado mais no álbum. 


M.I. - Qual é a sua música favorita do álbum? Por quê?

Na verdade, é uma escolha difícil, mas acho que diria "Night by night" e "Rymdvals". "Night by night" é uma canção de verdadeira diversão tanto para jogar como para cantar e tem esse sentimento misterioso constante do primeiro tom. "Rymdvals" é um favorito porque é uma música pessoal real para mim. Foi escrito em um momento em que eu estava perdendo controle por causa do estresse e das ansiedades. Esta música foi realmente uma ajuda para voltar e lutar.


M.I. - Sobre que são as letras?

As nossas letras são principalmente sobre experiências da vida real e sobre o que sentimos sobre coisas diferentes. São definitivamente sempre humanas e honestas.


M.I. - Já existem pelo menos 2 vídeos para novas músicas... como é que os fãs estão a reagir?

As reacções foram excelentes! Eu, realmente, acho que estamos a dar aos fãs vídeos que eles desejam ver e, claro, que queremos fazer e ver também!


M.I. - Quando comparado ao álbum de estreia "The Transcendence", qual foi o mais complicado de escrever e gravar?

O progresso da escrita no novo álbum foi mais bem sucedido e também os arranjos em comparação com “The Transcendence”. O progresso da gravação em "Part human, mostly beast" também foi mais pensado, mas foi definitivamente difícil de fazer, porque gravamos tudo ao vivo. Sobre tudo, foi muito suave, mas agarrar no sentimento ao vivo, mesmo que estejas em estúdio, é difícil, mas acho que nós o conseguimos fazer!


M.I. - Como se sentem quando outras bandas fazem covers das vossas músicas? (Estou a pensar na cover de "Electric Eel" feita pela banda brasileira Black Venusa)

É uma grande honra, é claro! É tão porreiro ver que as pessoas gostam tanto das nossas músicas que querem fazer uma cover delas! Quero dizer, uau!


M.I. - O público parece apreciar a vossa energia em palco. Quão complicado é cativar uma audiência hoje em dia?

Eu não acho complicado, enquanto estiveres no palco e mostrares isso ao público. Dá-lhes o que tu queres e o que eles querem e terás uma explosão tanto para a banda como para o público!


M.I. - Existe algum festival em que os Honeymoon Disease gostariam de tocar? Em caso afirmativo, qual?

Hm, essa é uma pergunta difícil, há muitos festivais bons! Para mencionar alguns, gostaríamos de tocar no Keep it true, Freak Valley, Hellfest e Sweden Rock.


M.I. - Os membros da banda estão envolvidos em outros projetos? Quais?

Estamos a trabalhar a 200% com Honeymoon Disease, de modo que realmente não temos muito tempo para ter projectos além disso. Mas o Cedric realmente tem um projecto chamado "Aphuset", um verdadeiro projecto de blues rock.


M.I. - Como músicos, qual o vosso principal objetivo a longo prazo?

Quando falamos de metas a longo prazo, falamos sobre os próximos dois anos, como já mencionei antes, estamos sempre a querer mais e mais e queremos que as coisas aconteçam agora e não daqui a algum tempo. Então, os nossos objetivos são definitivamente fazer mais tournées, especialmente nos Estados Unidos e no Canadá (temos muitos fãs lá que desejam ver os HMD), lançar mais músicas e vídeos e simplesmente continuar a tocar rock n 'roll e a levá-lo ao limite!


M.I. - Por favor, partilhem uma mensagem com os leitores do Metal Imperium. Rock on!

Continuem a espalhar a Doença!

For English version, click here

Entrevista por Sónia Fonseca