• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


“What Does This Button Do?” é o título do livro autobiográfico do vocalista dos Iron Maiden, publicado no final de 2017. Numa animada conversa com Tom Bedell, da estação de rádio canadiana Q104, Bruce Dickinson revelou pormenores não incluídos na autobiografia, e desenvolveu alguns aspectos relativos a momentos-chave da sua vida e carreira.

Com a boa-disposição habitual Bruce explicou a razão de ter decidido escrever a sua autobiografia neste momento. “ As pessoas andam a pedir-me para escrever o livro há cerca de 15 anos e sempre tenho recusado por duas razões. Primeiro porque achei que eu não estava acabado ainda. A segunda razão foi porque sabia quanto trabalho implica escrever um livro, porque não queria usar um escritor-fantasma, portanto seria eu a fazer a tudo. Seja como for, foi-me diagnosticado um cancro na garganta há quase 3 anos atrás - como já quase todos sabem - mas tendo superado isso e tendo ligado o botão de reinício relativamente ao resto da minha vida, pensei ‘É realmente um bom sítio para o final de um livro’.

Bruce continuou, afirmando que muita coisa ficou de fora porque um livro deve ser divertido, deve contar uma história e factos que as pessoas desconhecem mas querem saber, ensinar algo, fazê-las rir. Para Bruce, uma descrição dos factos conhecidos da vida não seria mais do que um exercício cansativo de narcisismo. “O que eu posso partilhar são histórias acerca de pilotar em companhias aéreas, ser um praticante internacional de esgrima, acerca de como usar a voz, acerca do processo de ter e deixar de ter cancro da garganta, viajar para zonas de guerra, e claro, está lá muita coisa acerca dos Iron Maiden e de como raio é que tu consegues estar nos Iron Maiden, e como é que isso funciona e como começas a cantar. É uma mistura de todo o tipo de coisas. Mas, acima de tudo, é uma celebração da vida. Se há uma mensagem no livro, é de que a vida é fabulosa e o que quer que penses ou o quanto dura seja, é melhor do que as alternativas.”

Da mesma forma consistente, Bruce Dickinson explicou a sua saída dos Iron Maiden em 1993: “Compus uma música chamada “Tears Of The Dragon” mesmo antes disso. A parte da letra que mostra tudo é ‘'I throw myself into the sea, release the wave and let it wash over me and face the fear you once believed. E era tudo acerca disso. Era acerca de sair do que era um regime muito confortável. Trabalho duro, boas pessoas, relativamente seguro, bem gerido.” “eu pensei que não chegava, que era demasiado novo para me contentar com isto.”

Pode ouvir a entrevista completa em baixo.


Por: Pedro Rodrigues - 05 Janeiro 18