• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O folk metal parece estar bem vivo... os Grimner estão prestes a lançar o seu mais recente álbum "Vanadrottning" e Johan Rydberg e Ted Sjulmark falaram com a Metal Imperium.

J: Johan Rydberg, flautas, mandola, bagpipes
T: Ted Sjulmark, guitarras de chumbo, vocais


M.I. – Os Grimner existem há 10 anos. O que aprenderam nesta década de existência?

J: Hmm, a não beber muito antes dos concertos?!
T: Haha, isso é verdade. Isso não funciona se quisermos dar ao público o melhor espectáculo possível.


M.I. - 2018 chegou e as celebrações do 10º aniversário da banda! Planearam algo especial para celebrar esta ocasião, além do lançamento de "Vanadrottning"?

J: Bem, temos mais concertos do que nunca. E alguns países que não visitamos antes.
T: Também temos uma festa de lançamento muito especial planeada em conjunto com os nossos amigos dos Månegarm e Midvinterblot.


M.I. - Há alguns anos, houve um boom de bandas de folk metal e vocês são descritos como Folk / Viking Metal. Por que se sentiram atraídos por estes géneros em particular?

T: Foi uma coisa natural. Henry (bateria) e eu começamos a banda em 2008 e, naquela época, ouvimos muito Ensiferum, Månegarm e Turisas, que acabaram por influenciar a minha música no início dos Grimner. Nós também temos interesse na história e mitologia escandinavas, e o metal influenciado pelo folk é o tipo perfeito de música para acompanhar esses temas, penso eu.


M.I. - "Vanadrottning" é o 3º álbum da banda. Torna-se mais fácil ou mais difícil escrever material e lançá-lo com o passar do tempo? Existe mais pressão para superar o material anterior?

T: A dificuldade em escrever novas músicas tem altos e baixos o tempo todo. Depende muito do humor e da inspiração. Algumas músicas aparecem assim do nada e algumas requerem muito mais trabalho.
J: Bem, há sempre alguma pressão, especialmente se o álbum anterior foi bem recebido. Além disso, as produções das gravações acompanham o crescimento da banda, o que significa que a quantidade de trabalho de gravação também cresce.


M.I. - Acham que o novo álbum vai receber mais atenção do que o anterior, que vos catapultou para a fama mundial?

J: Bem, acho que só o tempo o dirá. Mas sinto que as músicas do novo álbum estão mais elaboradas e foram mais pensadas.
T: Se considerarmos uma maior promoção e mais concertos, acho que este álbum definitivamente nos levará para o mundo. Mas, como disse o Johan, só o tempo dirá. Nós mesmos nos sentimos mais satisfeitos com este álbum.


M.I. - Quais são os temas líricos "Vanadrottning"?

T: É muito variado, embora estejam todos enraizados na história ou na mitologia. Os temas variam do folclore escandinavo às viagens de vikings a Constantinopla, onde se tornaram soldados para o imperador, bem como a vida após a morte que aguarda os guerreiros que se afogam no mar, entre outros temas.


M.I. - O que significa "Vanadrottning"?

T: Significa "Rainha do Vanir". O Vanir onde há uma tribo de deidades, como o Aesir (Oden, Thor etc.). Essas duas tribos começaram a primeira guerra do mundo, de acordo com a mitologia nórdica, e a guerra é o tema do título, contado a partir da perspectiva, ou melhor, do Vanir.


M.I. - Marcus Brattberg costumava escrever as letras, mas ele saiu a banda em 2017. Por quê? Quem escreveu as letras deste álbum ou ele partiu depois da escrita e gravação estarem feitas?

J: O Ted e o Marcus costumavam escrever a maioria das letras. Eu também colaborei na escrita de algumas músicas nos álbuns anteriores. Para este álbum, o Ted e eu (Johan) escrevemos as letras. Embora o Marcus tenha participado na escrita das letras de algumas músicas do álbum enquanto ainda estava na banda.


M.I. - A banda explora os laços entre deuses e humanos de diferentes perspectivas ... o que vos inspira?

T: Nós gostamos de olhar para a relação entre deuses e humanos não só de forma histórica ou religiosa, mas através de uma lente filosófica. Muitas vezes concentramo-nos nas lições de vida que podemos aprender com os contos antigos. A inspiração vem do desejo de dissecar os mitos e mostrar que há mais para eles do que ser apenas histórias de fantasia.


M.I. - Na dia 12 de Janeiro, o vídeo oficial da música "En Fallen Jätte" foi lançado. Como é que os fãs estão a reagir ao novo material?

J: Até agora, a única reação é a do lançamento do vídeo  "En Fallen Jätte" e o feedback foi muito positivo.
T: Recentemente, também recebemos a primeira crítica do álbum, o que foi extremamente positivo. E esperamos opiniões positivas no futuro também, claro, haha!


M.I. - Se não me engano, a maior parte do material da banda está escrito em sueco. Por que usam sueco? Não é mais complicado para ganhar mais fãs?

J: Na verdade não. Muitas das grandes bandas de folk metal cantam na língua materna. E é mais fácil expressarmo-nos em sueco e adequar os temas líricos do que o inglês.


M.I. - Nos pacotes promocionais, pode obter-se um monte de cenas limitadas de Grimner e a mais exclusiva é um abre-latas forjado à mão por Johan. Quem teve esta ideia? Como vão as vendas?

J: Bem, acho que conversamos sobre fazer algo para os pacotes de lançamento por um tempo. Eu não sei os números exactos, mas sei que já superamos as últimas vendas de álbuns somente nas pré-encomendas.


M.I. - Vocês assinaram um acordo com a Despotz Records há cerca de 2 anos. Como correm as coisas? Estão satisfeitos com sua promoção e atitude em relação à banda?

J: Estamos muito felizes com o nosso trabalho em equipa. Eles são óptimas pessoas e são realmente excelentes na promoção digital e sabem o que fazer na cena moderna do metal.
T: De facto, a nossa colaboração foi bastante boa desde o início, e melhorou com o passar do tempo.


M.I. - No dia 10 de fevereiro celebrarão o novo álbum "Vanadrottning" juntamente com os Månegarm e Midvinterblot em Linköping, na Suécia. Quão entusiasmados estão por mostrar o novo álbum ao mundo?

J: Muito animado! Não posso esperar para ouvir o que os fãs acham do novo álbum.
T: A festa de lançamento certamente será óptima! E sim, lançar o álbum para o mundo vai ser óptimo para ver o impacto que pode ter.


M.I. - A banda já tem concertos marcados. Quão importante é tocar ao vivo para os Grimner?

J: Tocar ao vivo é uma grande parte de Grimner. É onde conhecemos os fãs e passamos momentos realmente muito bons. E as pessoas apreciam os nossos concertos, mesmo que não nos tenham ouvido antes.


M.I. - Qual é o melhor lugar / espaço onde já tocaram? Por quê?

J: Provavelmente quando fechamos o festival Sabaton Open Air logo após os Sabaton. Mas também quando tocamos no Hörnerfest na Alemanha, há um ano ou mais, porque conseguimos cativar a multidão mesmo estando a tocar às 14:00.
T: Eu concordo com ambos. O Ragnarök na Alemanha também foi incrível na última vez que tocamos lá, eu mesmo estou muito animado para voltar lá este ano.


M.I. - Qual seria a tournée perfeita para os Grimner? Onde iriam? Quais as bandas que vos acompanhariam?

T: Eu acho que uma tournée em qualquer lugar seria perfeita, porque queremos tocar em todos os países que pudermos. Quanto a quem nos acompanharia, acho que seriam os Månegarm, Finntroll e os Turisas.


M.I. - Eu pesquisei, mas não consegui descobrir se já tocaram em Portugal. Sim ou não?

J: Não, até ao momento ainda não tocamos em Portugal, mas adoraríamos tocar.


M.I. - Vocês conhecem a cena do metal português? Já ouviram alguma das nossas bandas?

J: Hmm, não tenho a certeza. Assim de repente não me lembro de nenhuma mas vou ter de ver isso!
T: Não tenho a certeza se conheço bandas portuguesas. Às vezes eu ouço bandas sem saber de onde elas são, por isso é possível que conheça algumas bandas inconscientemente, haha!


M.I. - Por favor, partilhem uma mensagem com os fãs e leitores portugueses do Metal Imperium Webzine.

J: Olá pessoal! Só quero dar um GRANDE agradecimento a todos os que apoiam Grimner. E nós realmente esperamos que gostem do novo álbum. Felicidades!

For English version, Click here

Entrevista por Sónia Fonseca