• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Parece o nome de uma compilação, e até nem está muito longe disso, pois trata-se da regravação do álbum homónimo de 2007, o primeiro dos Mourning Dawn. A posição dos temas tem uma nova ordem e ainda houve espaço para a inclusão de dois que não tinham sido lançados anteriormente, mas claro que a grande novidade está, como é normal neste tipo de situações, na produção. Como é de esperar, está mais límpida que o registo original, muito mais cuidada e uma boa prova disso é a potência dos riffs que a banda martela e que aqui assumem proporções muito mais sombrias e opressoras do que há dez anos atrás. A bateria também está muito mais realçada e as vocalizações de Laurent Pokemonslaughter (um pseudónimo que decerto fica na memória) estão num registo mais grave e gutural do que os proeminentes gritos de black metal depressivo em 2007. Não soa a versão remasterizada, pois desde a estrutura à sonoridade, sente-se que “The Dead Years” é uma nova interpretação por parte da banda.

E com isto, qual o melhor? O “eterno” original de 2007 ou este remake? É garantido que re-ouvir temas épicos e esmagadores como “From the Torrent and the Fountain” e “When the Sky Seems to Be a Flag” têm o mesmo impacto que os de 2007. Contudo acontece que, enquanto “The Dead Years” é um daqueles monólitos de black/doom no verdadeiro sentido da palavra, o álbum de estreia tem em si muito mais black metal do que este: toda a sua crueza, a produção menos detalhada e os gritos desesperantes no lugar de berros cavernosos e de gritos menos animalescos fazem do álbum de estreia uma obra a não menosprezar. Talvez até tivesse sido essa a intenção da banda desde o início. Repare-se que este disco tem um nome, quando muitas bandas optam por dar o mesmo nome do álbum que estão a remasterizar ou a recriar, pelo que, para todos os efeitos, podemos considerar “The Dead Years” como “disco de estreia versão 2.0”, onde, para equilibrar as coisas, tem mais doom do que black metal.

Como última observação, assim como o primeiro álbum serviu de pista de lançamento para os Mourning Dawn, esta regravação serve de um convite para se conhecer tudo o que está para trás que estes franceses conceberam. Um belo registo de black/doom bem corrosivo e decadente que cai nos ouvidos da mesma forma como cai no estômago um copo de aguardente de medronho bebido de uma assentada, ou seja, com força e ainda deixa uma marca.

Nota: 8.3/10

Review por Tiago Neves