• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


O segundo dia da 21ª edição do festival SWR Barroselas iniciou-se com maior afluência de público que o anterior. O facto de ser sábado ajudou com certeza esse facto mas também o cartaz fez aumentar a rumagem ao Minho. No recinto ouvia-se cada vez mais castelhano e galego, algo que até não pode ser considerado estranho, face à posição geográfica de Barroselas – e Viana do Castelo, mesmo ali ao lado – face a nuestros hermanos. E a organização do festival sabe bem desse factor aglutinador, escolhendo diversas bandas espanholas para posições chave no cartaz.

O arranque voltou a ser às 17 horas em ponto com o death gore dos Amputate, banda que originalmente foi formada no Algarve mas que por força da emigração dos seus membros, representa agora as cores da Suíça. E da Suíça veio igualmente uma das grandes surpresas deste dia. Ainda não eram seis da tarde mas a tenda da SWR Arena estava a abarrotar para ver os Carnal Decay. A celebrar 15 anos de existência, a banda de death metal brutal de Hutten pareceu muito empolgada com tanta presença de público e não regateou esforços para mostrar o que vale e devolver a gentileza. Baseando a sua actuação no disco do ano passado, “You Owe, You Pay”, os Carnal Decay deram grande show, com uma espectacular performance da guitarrista solo Isabelle Iten, ela que foi a única mulher em palco no Barroselas 2018!

O segundo palco arrancou com os portugueses Necrobode, mais um projecto de Vulturius (Decayed, Irae, etc), e que vieram apresentar os temas  da sua demo-tape “Metal Negro da Morte”. No palco principal, e fazendo juz ao que tinha dito antes sobre a presença em massa de público espanhol, o grindcore dos Looking For An Answer fazia a abertura com chave de ouro do Warriors Abyss. Oriundos de Madrid e membros da reputada família Willowtip, os LFAA apresentaram a maioria dos temas do mais recente “Dios Carne”, entre muito mosh e o público castelhano a não regatear aplausos e a acompanhar a banda em faixas como “Invierno Eterno” ou “Supremacia Etica”. Uma agradavel surpresa, estes madrilenos...

No palco secundário o projecto brasileiro Flageladör, desta feita com Armando “Executor” Macedo na voz e a restante banda composta por conhecidos músicos nacionais, com o seu thrash/speed metal ao bom velho estilo do final dos anos 80. Baseando a performance em “Assalto da Motosserra”, levaram o público a ocupar a frente de palco, com muitas caras conhecidas do underground lusitano incluídas, e que perante gritos de apoio à banda, foi fazendo a festa. Sempre de destacar os solos fabulosos de SteelBringer, que com o seu profissionalismo quase parecia membro efectivo da banda!!

No palco principal ocupavam posições os suecos Interment, mas a debandada para o exterior era notória. E não era para menos: na SWR Arena iam tocar os lusitanos Gaerea
Tocar ao vivo as atmosferas criadas em “Unsettling Whispers” é tarefa bastante difícil, mas a banda mostrou porque tem vindo a ser reconhecida como a next best thing no black metal nacional.Visualmente impactante, com os seus trajes negros e um cuidado nas luzes e decoração de palco, a banda mostrou todos os seus créditos, apesar de muitos (demasiados) problemas no sistema de som, que impedia a plateia de ouvir na perfeição as enigmáticas letras de “Whispers” ou “Catharsis”. Não foi de admirar que o death metal dos Interment tenha soado para uma meia plateia no palco principal. A banda sueca é bastante interessante, com o ponto alto em “Praise of Death”, mas com o aproximar dos nomes mais fortes da noite à mistura com a hora de jantar, foi normal assistir a um reduzir de público no recinto, o que também acabou por afectar a actuação dos alentejanos Process of Guilt

A banda de Hugo Santos tem extrema qualidade no seu doom na sua vertente mais industrial, e “Black Earth” foi exemplo desse facto, mas a verdade é que a plateia ia-se deslocando para o Warriors Abyss para se posicionar o mais à frente possível para o que se adivinhava ser a performance da noite...

Nifelheim!! O nome que ecoava pela plateia da sala repleta quando, pelas 22 e pouco entraram em palco os gémeos Gustavsson  e a sua banda de vikings repletos de picos e cabedal. “Storm Of The Reaper”, “Satanic Sacrifice” ou “Bestial Avenger” fizeram com que a plateia nunca tivesse descanso, no mosh e no stage diving, deixando corpos suados e sorrisos rasgados! Uma prestação fabulosa dos suecos, sem dúvida nenhuma os vencedores deste sábado (talvez até de todo o festival). 
E ainda faltavam vários cabeças de cartaz!!

Os checos Malignant Tumour tiveram a ingrata tarefa de impedir que muitos aproveitassem a sua actuação para comer qualquer coisa e isso foi conseguido com uma actuação enérgica de um quarteto que parece saído de uma banda desenhada. 
Um vocalista cowboy e um baixista que parece um personagem dos Marretas, mas que em palco metem muita banda thrash consagrada no chinelo. Destaque óbvio para um excelente “Earthshaker” a encerrar uma performance onde até houve tempo de convidar uma rapariga da plateia a substituir Simek na guitarra-baixo, para gáudio da plateia que lotava o palco Dungeon. Poucos minutos depois, outra enchente monumental na sala principal, para assitir ao concerto dos Suffocation

30 anos de história nas pernas da banda lendária de Nova Iorque e parece que foi ontem que lançaram “Effigy of the Forgotten”... Claro que ao vivo não está a voz magistral de Frank Mullen, mas Ricky Myers dá conta do recado e mostrou-se um grande frontman (não só em tamanho!). “Pierced From Within”, “Entrails Of You” ou “Return To The Abyss” foram alguns dos clássicos debitados pela banda, com a plateia completamente rendida à capacidade técnica de Charlie Errigo e Terrance Hobbs, ou da forma completamente estranha mas demolidora de tocar guitarra baixo de Derek Boyer. Que loucura de performance!!

Os Filii Nigrantium Infernalium encerraram o palco secundário já na madrugada de domingo, com oito faixas escolhidas a dedo por Belathauzer. Sempre cáustico e interactivo com a plateia, o vocalista foi introduzindo cada malha com uma introdução controversa, bem ao seu estilo.”Necro RocknRoll” abriu a actuação, que continuou com clássicos e novidades, com pontos altos em “Cadela Cristã” e o grande “Abadia do Fogo Infernal” a encerrar a sua prestação.

Os belgas Evil Invaders encerraram o palco principal no sábado com um spreed metal a lembrar o início dos Overkill ou dos Razors, de onde aliás tiraram o nome da banda. Focando a sua actuação no último álbum, “Feed Me Violence”, o quarteto de Limburg fez com que os resistentes deixassem a última gota de suor que ainda restava, garantindo que todos iríamos dormir muito mais cansados do que estávamos à espera...

E amanhã tínhamos de estar em forma para o que aí viria...


Reportagem por Vasco Rodrigues
Agradecimentos: SWR