• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Enquanto ouvinte, a primeira sensação que surge ao ouvir “Firepower”, que começa com o tema-título, é de que os Judas Priest, como uma banda de 48 anos de atividade, conseguiram preservar a energia que sempre caraterizou o seu som ao longo das décadas, sendo que este tema relembra “Rapid Fire” que abre o álbum “British Steel” de 1980, no qual já contavam com dez anos de carreira.

“Evil Never Dies” faz lembrar Metallica em “One”, com a ferocidade da voz de Rob Halford a demonstrar que o vocalista não perdeu fôlego, e a própria secção rítmica mantém a força e pulsação que dá um peso extra a este tema como a “Traitors Gate” mais adiante.

A sonoridade que os Judas Priest ajudaram a propagar ao longo das várias décadas de atividade não demonstra sinal de abrandar, notando-se uma clara vontade de manter a energia ao longo dos temas iniciais, encontrando-se em “Necromancer” um bom exemplo com os solos alternados de guitarra. 

Chegando ao oitavo tema “Rising From Ruins”, o peso e velocidade já reduziram, dando espaço para o ouvinte respirar e experimentar um lado mais introspectivo do ponto de vista sonoro dos Judas Priest. Com “Flame Thrower”, a jovialidade sonora que remete para “Living After Midnight” de “British Steel”, ao passo que a emotividade característica da voz de Rob Halford se perde (sendo a teatralidade da mesma evidente em “Spectre”, recordando Bruce Dickinson dos Iron Maiden e David Bower dos Hell).

Outro aspecto a destacar é que “Firepower” é um disco que apresenta letras que expressam sentimentos mais negros, “Never the Heroes” e “Evil Never Dies”, a par de um sentimento de esperança, em “Sea of Red”. Com efeito, a clareza na enunciação das letras torna mais eficaz a sua mensagem.

Em jeito de conclusão, apesar de “Firepower” ser um disco que soa muito semelhante a outros discos do género NWOBHM, temas como “Children of the Sun” ou “Guardians”, apresentam ambientes diversificados que relembram álbuns anteriores da carreira dos Judas Priest, como “Angel of Retribution” ou até “Nostradamus”, resultando num equilíbrio sonoro e coesão musical. Desta forma, o disco pode ser ouvido várias vezes sem perder o impacto da primeira audição, sendo o aspeto mais negativo a apontar a extensão do mesmo.

Nota: 8/10

Review por Raúl Avelar