• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Lenny Kravitz é um daqueles artistas difíceis de rotular, mas por bons motivos. Ao rock, juntam-se umas pitadas muito próprias de funk e soul, e aqui temos uma receita para largos anos de sucesso. A “Raise Vibration Tour”, a propósito do novo álbum do artista, a lançar em Setembro, está a ser apresentada na Europa. O nosso país foi contemplado com uma data, no Altice Arena, em Lisboa. 

A primeira parte da noite esteve a cargo dos MF Robots, que vêm de Inglaterra. O duo é composto pelo baterista e compositor Jan Kincaid (fundador dos The Brand New Heavies) e pela vocalista Dawn Joseph (conhecida por “Heavy”), que já esteve em tour com músicos como Rod Stewart, Phil Collins, Michael Bublé, Craig David, entre outros. Apesar de ser um duo, o palco esteve bastante concorrido (à semelhança da atuação de Lenny). Trouxeram consigo o álbum de estreia “Music for Robots”, lançado no passado mês de Maio (será que até os robots querem conquistar com a sua presença simpática e acolhedora?). Entraram em palco com “Show Me the Love” e, a partir daí, foram 45 minutos de boa disposição e muito swing. Aqui, a mistura é diferente de Lenny: retirem o rock, mantenham o soul e funk e acrescentem jazz. A vocalista avisou logo que adora falar, mas, sendo escasso o tempo para tocar, a prioridade ia para este último. Apesar disso, não deixou de interagir com o público (“I wish I could get closer, you’re too far away!”), que se mostrou agradado com a presença do duo. Um início de noite animado, com muita dança a acompanhar. 

Quando se está na expectativa para ver um artista, o intervalo entre a banda de abertura e o início do concerto parece uma eternidade. E quando finalmente começa, imaginem ouvir a voz do artista, mas sem o corpo presente. Estranho?  A atuação iniciou com “Fly Away”, com um Lenny que talvez estivesse com vontade de voar; o público olhava atentamente para o palco, à procura da estrela da noite, a não querer perder um passo que fosse dos seus movimentos. Lenny estava um patamar acima do palco e desceu no fim do tema, ganhando vários aplausos. Seguiram-se “Dig In” e “Bring It On”, e a plateia já não sabia o que era estar parada. A energia de Lenny é verdadeiramente contagiante. Ainda sem dirigir grandes palavras ao público, apresenta-nos o clássico “American Woman” (que, embora seja uma cover dos “The Guess Who”, parece ter sido composta pelo/para o músico). As versões ao vivo ganham uma cor diferente, especialmente tendo em vista os músicos que acompanham Lenny em tour. Seguiu-se um excerto de “Get up Stand up”, cover de Bob Marley & The Wailers, que brilhou com a presença do saxofone.

Lenny faz uma pausa para acarinhar o público. Não há outra forma de dizer isto – quando o músico fala com os fãs, parece estar a falar com a sua família. O músico percorre o palco de uma ponta a outra, quase que saltitando, cumprimentando os fãs na bancada e na plateia, visivelmente satisfeito. Lenny comenta que é muito bom estar de volta ao nosso país, que está muito feliz por ver todas aquelas pessoas, e que é tempo de “gerar amor”, algo de que precisamos mais do que nunca, refere. O público concorda com as suas palavras, aplaudindo fervorosamente. E o certo é que, até terminar a noite, nada mais foi sentido e demonstrado do que amor recíproco entre os fãs e Lenny.

Apesar de o novo álbum “Raise Vibration” ser lançado apenas daqui a dois meses, Lenny “pediu autorização” para tocar dois dos seus novos temas, antes de prosseguir com os clássicos. Assim, “It’s Enough” e “Low” foram tocados pela primeira vez em Portugal e, a julgar pela receção do público, este registo será mais um sucesso na carreira do músico. Terminou, tirando os óculos escuros que já fazem parte da sua imagem de marca, e disse “I love you. Feeling alright?...I’m feeling it too”. 

Seguiram-se “It Ain’t Over Til’ It’s Over” e “Can’t Get You Off My Mind”, que colocaram o público a cantar. Em “Believe”, Lenny pede para ver mãos no ar, pedido acedido num ápice; “I Belong To You” terminou com o músico a olhar e apontar para o céu. Depois deste momento mais emotivo, Lenny procede a apresentar toda a equipa que ajuda a tornar este espetáculo memorável: duas pessoas no saxofone, uma no trompete, e ainda um baterista, teclista, guitarrista e baixista. Tudo pensado para que os temas ganhassem vida própria, quando interpretados ao vivo. Também é de destacar que a voz de Lenny tem um poder e alcance incríveis, mesmo após 30 anos de carreira. Sim, 30 anos. O tempo passa, mas não por ele. 

Ouviram-se “Always on the Run” e “Where Are We Runnin’?” e uma energia de ambos os lados, público e banda, que parecia inesgotável. “The Chamber” foi um dos temas mais fortes da noite e na qual o trompete se destacou mais. Algo diferente da versão em estúdio, mas que resultou na perfeição. Antes do encore, é a vez de “Again”. Lenny termina limpando o rosto a uma toalha e, ouvindo os fãs na primeira fila, atira-a para os fãs. 

Mal o público sabia o que Lenny ainda tinha preparado. O encore iniciou com “Let Love Rule”; Lenny decide sair do palco, desce até à primeira fila, cumprimentando e abraçando os fãs. Não estando ainda satisfeito, vai dar uma volta no meio da plateia, sempre com segurança a acompanhar (com tantos fãs ávidos por um toque ou um abraço do músico, mais vale prevenir!). Mais uns quantos abraços e o tema termina com o público inteiro de braços no ar. Um grande momento de cumplicidade. 

A atuação termina com a obrigatória “Are You Gonna Go My Way”, para esgotar os últimos cartuchos de energia. Lenny pede para saltarem e é isso mesmo que acontece. “Thank you. Obrigado!”, e várias vénias. Foi assim que Lenny se despediu da sua “família” da música. Até breve!


Texto por Sara Delgado
Agradecimentos: Everything Is New