• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Os últimos dias em Lisboa têm sido terreno fértil para a passagem de diversos festivais e bandas de renome num verdadeiro carrossel de concertos. 

No passado dia 11 de julho, foi a vez dos Stone Sour marcarem mais uma vez presença no nosso país, após um hiato de 11 anos desde a sua participação no festival Super Bock Super Rock. Apesar de tão longa ausência, os seguidores da banda no nosso país nunca deixaram de crescer e, neste dia, rumaram em força até ao Coliseu de Lisboa.

Próximo da hora do concerto, a fila para entrar estendia-se ainda por vários metros desde a entrada do Coliseu até à praça do Teatro Nacional. A aposta era elevada, pois a banda apresentou-se em nome próprio e dispensando bandas de abertura.

Pontuais, abriram em grande com o poderosíssimo hard rock de Whiplash Pants. Liderados pelo carismático Corey Taylor, dominaram a audiência desde o início. 

Tecendo rasgados elogios ao público português pela sua energia inesgotável e dedicação, os Stone Sour prometeram um concerto com um alinhamento diferente daquele que têm vindo a fazer durante a sua atual digressão, para promoção do seu mais recente álbum "Hydrograd". O público agradeceu e correspondeu, entoando todas as músicas, gritando, e pateando o chão de madeira do Coliseu numa fascinante demonstração de união e força. Seguem-se numa rápida sucessão, sem permitir recuperar o fôlego, êxitos como “Absolute Zero” e “30/30-150”.

Apesar de se apresentar aqui num registo bastante diferente da sua outra conhecida banda, os Slipknot, vemos também aqui o grande líder que Corey é. Fala frequentemente com o público e pede sempre mais, envolvendo-o na sua inesgotável energia. 

A meio do concerto, surge o momento mais intimista com um Corey a solo a interpretar o primeiro grande sucesso da banda, o clássico “Bother”. O público respondeu, chegando em muitos momentos a sobrepor-se à voz de Corey, e com os telemóveis a iluminarem a sala. 

Foi apenas um breve momento de calma, pois logo de seguida os ânimos voltam a subir com algumas das músicas mais aguardadas, como “Get Inside” e “Made Of Scars”.


A grande surpresa da noite veio com a “Song #3”, pois eis que juntando-se a Corey em palco surgiu o seu filho de 15 anos, Griffin Taylor. Algo que, segundo Corey, só tinha acontecido uma vez antes, há precisamente um ano num concerto nos EUA e com a mesma música. Os mais atentos já tinham vislumbrado o energético adolescente nos bastidores seguindo entusiasmado o concerto, mas terão ficado boquiabertos quando Griffin se apresenta em palco. É caso para dizer que quem sai aos seus não degenera. Griffin, com um registo vocal impressionante, conseguiu pegar onde o pai tinha deixado, mostrando-se também ele um artista nato. Corey acompanhou o filho, de sorriso orgulhoso estampado na cara, e deixou-o brilhar.

Com uma piscadela de olho aos Kiss, que tinham atuado na noite anterior no Estádio Municipal de Oeiras, concerto no qual os Stone Sour marcaram presença, a banda atirou-se a uma cover de “Love Gun”. Não sem antes Corey ter apresentado a música no seu melhor sotaque à Paul Stanley e para risada geral da audiência. 

Após a homenagem aos Kiss, uma pequena pausa para, de seguida, nos presentearem com um encore de duas faixas, “RU486” e “Fabuless”, que concluiu o concerto de cerca de 100 minutos de duração. Corey ressurge em palco transportando a bandeira portuguesa para a devida despedida ao público que tão bem os acolheu. 

Esperemos que não passe mais uma década até os Stone Sour voltarem a Portugal, pois é de bandas com esta alma que o rock precisa!


Texto por Mariana Crespo
Fotografias por Ana Mendes
Agradecimentos: