• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)

Os argentinos Mortuorial Eclipse são uma banda de Black Metal que acaba de lançar o seu segundo álbum “Urushdaur”, baseado num estranho e secreto ritual antigo. Nefass, vocalista e mentor da banda, apresentou o novo álbum e os planos da banda à Metal Imperium. 


M.I. - "Urushdaur" é o segundo álbum da banda, lançado cinco anos após a estreia de "The Aethyrs´Call". Porquê a longa espera?
O nosso primeiro álbum foi gravado com uma formação completamente diferente e entre um “processo de criação” muito intenso da banda. Após o lançamento do CD, a banda fortaleceu e desenvolveu ao vivo o que tinha gravado. Depois disso começamos o processo de composição e o novo álbum está pronto desde 2016. Nós gravamos tudo e lançamos uma faixa promocional, mas depois de algumas tournées, decidimos mudar algumas faixas e adicionar outras para que todo o álbum fosse gravado novamente em estúdio. No início de 2017 estava pronto para misturar e masterizar, processo que foi adiado pelos compromissos assumidos pelo engenheiro que finalmente nos deu o álbum em Março de 2018.

M.I. - “Urushdaur” é um estranho ritual secreto que consistia em extrair a alma de um corpo e colocá-lo noutro. Por que usaram este título para o novo álbum?
O conceito ritualístico está presente em todas as faixas do álbum. O URUSHDAUR é um processo em que a carne enfraquecida é deixada para trás para encarnar num novo corpo e manter o conhecimento e a sabedoria eternos além do destino dos mortais. A música deste trabalho destina-se a escavar esta ideia.

M.I. - " The Aethyrs’ Call" foi inspirado na sabedoria antiga e culturas perdidas e o mesmo acontece com "Urushdaur". A sabedoria antiga e as culturas perdidas são uma fonte inesgotável de inspiração?
Pessoalmente, sinto-me muito ligado a esta antiga essência de culturas esquecidas, há muito para resgatar da profundidade do tempo que a propaganda de religiões organizadas e domínios dogmáticos impõem esconder.

MI. - Desde a estreia, Kobal deixou a banda e Radna e Verin entraram... esta mudança na formação afectou a banda de alguma forma?
Todas as mudanças afectam a banda, são muito desafiadoras e estamos muito orgulhosos dos resultados, pois acreditamos que este tipo de momento nos torna mais fortes. Musicalmente, a banda está no nível mais alto desde o começo e não é sorte, há muito trabalho e esforço por trás.

M.I. - Num post no dia 10 de Março, a banda escreveu “Fim de um longo e agonizante processo!” Quão doloroso e complicado é gravar um álbum?
Como nós gravamos 100% do álbum no nosso próprio estúdio, gastamos muito tempo e energia. Uma vez terminado o processo de gravação e edição, o álbum deveria ter sido lançado em Junho do ano passado, mas o cronograma teve que ser reprogramado e, desta vez, ficámos muito ansiosos.

M.I. - O álbum é composto por 9 faixas… na tua opinião, qual é o mais poderoso e porquê?
O Poder de " Cult of the Carnal Disarray" é realmente avassalador, mas temas como "Secrets of the Revenants" e "In Extremis" têm uma grande dose de death metal rápido e forte que todos nós precisamos!

M.I. - Existe alguma faixa que fique no ouvido logo na primeira vez que se ouve? Uma que seja muito viciante e que se tenha de ouvir várias vezes seguidas?
Eu tenho esse problema com o " Arcane Legacy of Astral Numina", música composta 100% no teclado e depois arranjada pela banda. "Ophis Martys" é outra faixa com riffs viciantes e uma atmosfera muito profunda e hipnotizante.

M.I. - Quem escreveu as letras desta vez?
Por norma, as letras são escritas por mim mas, neste álbum, há uma enorme colaboração de Baal Herith e algumas músicas foram mais escritas por ele, o que tornou o processo de composição de letras muito rápido e orgânico.

M.I. – Vocês tocaram a faixa "Ophis Martyr" ao vivo pela primeira vez há 2 anos na Rússia. Mudaram alguma coisa nessa faixa desde então, considerando que a gravação foi feita mais recentemente?
As gravações aconteceram próximas dessa tournée, todas as faixas mudaram depois da “Southern Stigma Tour” em 2016 na Rússia e na Europa, de mais de 30 concertos em 36 dias, especialmente “Lyrics and Orchestra”. Foi uma experiência brutal que nos fez crescer muito profissionalmente e como banda também.

M.I. - "Urushdaur" foi produzido pelos Mortuorial Eclipse, gravado nos Vermin Studios (Argentina), mas foi misturado e masterizado no Sound Division Studio (Polónia) por Arkadiusz "Malta" Malczewski como o álbum anterior. Por quê atravessar o Oceano Atlântico e vir para a Europa para misturar o álbum?
Os resultados obtidos com o primeiro trabalho realmente ultrapassaram as nossas expectativas, sabíamos que poderíamos obter mais e que algumas coisas precisavam de ser alteradas para ir  mais além, então depois de tentar alguns estúdios localmente decidimos continuar a trabalhar com as pessoas com quem misturamos “The Aethyr’s Call” para desenvolver nesta linha e levar a nossa música um passo à frente.

M.I. - Um novo vídeo foi lançado há algum tempo. Por que optaram por esta faixa em particular?
O vídeo “Secrets Of The Revenants” acaba de ser lançado. Nós gostamos da energia que esta faixa tem ao vivo, então decidimos capturá-la durante as últimas tournées e fazer uma compilação do que a banda transmite enquanto toca.

M.I. - "Urushdaur" já está disponível em várias plataformas digitais... como está a ser recebido? Quais são as reacções até agora?
Ficamos realmente surpresos com a enorme multidão de fãs que estavam à espera do álbum e estamos muito agradecidos. Os críticos dizem que o caminho estava correcto e que este novo álbum é um grande passo na nossa carreira musical. Como uma produção independente, cada escolha é muito importante e pudemos demorar o tempo necessário e mudar tudo de acordo com a nossa vontade quantas vezes quisermos. A cena metal sul-americana está a crescer de dia para dia e é muito inspirador e desafiador ter um álbum que ajuda a ultrapassar essa barreira ainda mais!

M.I. - Por que lançaram o álbum digitalmente antes do lançamento em formato físico? Acreditas que isso ajuda a impulsionar as vendas?
Apesar do peso do mundo digital, o CD físico ainda é um elemento forte no ciclo, os fãs ainda esperam o momento de ter o material nas suas mãos. Hoje em dia a tecnologia revolucionou a arte e a maneira como ela é criada e promovida, dificilmente pensamos que as pessoas que compram o nosso trabalho ouviram a banda pela primeira vez noutro lugar.

M.I. - A banda escreveu que esta foi “Uma jornada excêntrica que nos forçou a explorar novas formas de composição, um tipo diferente de arranjos, instrumentos que nunca tocamos antes, artistas de destaque e um conceito muito ambicioso que nos manteve muito ocupados nos últimos dois anos. ”Conta-nos mais sobre tudo isso. Quem são os artistas de destaque? Quais instrumentos são usados e que nunca tocaste antes?
Nós abordamos algumas das composições de uma maneira diferente, começando pelo conceito da orquestra e adicionando a “banda de metal” depois disso. Durante muitos anos, estamos muito orgulhosos das amizades que criamos com artistas de muitos estilos musicais. Neste álbum encontramos a maneira de colaborar e integrar instrumentos tradicionais como violino e violão com percussão étnica e santoor, por exemplo, obtendo resultados únicos e abrindo uma nova dimensão na nossa música.

M.I. - Também a banda mencionou que “Para alcançar a nossa missão, a banda cruzou os limites do Metal e incorporou a música orquestral e étnica, gerando um herdeiro dinâmico e hipnotizante de“ The Aethyrs´Call ””. Achas que os fãs vão apreciar essa incorporação de elementos orquestrais e étnicos no som dos Mortuorial Eclipse?
Esses elementos são usados no nosso estilo, adicionando mais personalidade e expandindo o álbum. Tenho a certeza de que os fãs não ficarão desapontados quando, música a música, encontrarem resoluções e sons inesperados que fortalecem a experiência.

M.I. - O que andas a ouvir actualmente, além do vosso álbum? Quando gravas um novo álbum, ouves sem parar ou simplesmente coloca-lo de lado porque estás "cansado" dele?
Nós estamos constantemente a ouvir música, é algo que realmente nos enriquece, especialmente quando fazemos isso com música não-metálica. Após o lançamento, precisamos de algum tempo sem ouvir o CD para respirar a partir da composição e do processo de gravação. Só depois disso é que poderemos curtir a nossa música novamente.

M.I. – Os Mortuorial Eclipse são da América Latina que tem uma das multidões de metal mais selvagens do mundo. Concordas?
Nós sentimo-nos em casa na Europa Ocidental, encontramos o mesmo sangue quente que os latino-americanos têm. Cada lugar tem uma multidão muito diferente, mas o “mundo do metal” é como uma grande irmandade. Nós gostamos e apreciamos muito levar a nossa música aos lugares mais diferentes por ser algo que nos inspira e motiva. Na América do Sul, as grandes cidades estão sobrecarregadas de concertos, como na Europa ou nas principais cidades da América do Norte, e é por isso que, para nós, tocar longe das capitais é melhor do que tocar nas metrópoles.

M.I. - A banda tocou na Europa, principalmente no Leste... estão a pensar vir aqui novamente em tournée?
Claro! Estamos a trabalhar para uma tournée na Europa Central e na Península Ibérica no próximo ano, mas fica muito caro para uma banda argentina nestes dias em que o intercâmbio é muito prejudicial para nós, e os movimentos devem ser muito bem feitos.

M.I. - Algumas bandas reclamam da falta de orçamento para tournées… como é que os Mortuorial Eclipse fazem tantas tournées? Ajuda da editora ou vocês assumem os custos?
Nós tratamos de tudo sozinhos. Apesar do grande apoio e exposição que a nossa editora nos dá, o dinheiro para a tournée sai dos nossos bolsos, gastamos muito tempo e energia para obter os recursos necessários para cada tournée. Localmente é um pouco diferente porque há promotores que fazem um grande esforço para ter a banda, mas atravessar o oceano implica gastar uma quantia enorme de dinheiro. Mas nós nunca nos arrependeremos de o fazer!

M.I. - Conheces a cena underground portuguesa? Gostarias de tocar aqui?
Não conheço muito além das bandas mais populares, apenas alguns deles vieram tocar na Argentina. Nós, definitivamente, precisamos de tocar na península e estamos a trabalhar para que isso aconteça no próximo ano.

M.I. - Quando entrevistei a banda há 5 anos, o Nefass disse-me que “a mentalidade do povo argentino não está pronta para as ideias da música extrema em geral, é por isso que a cena está a crescer tão devagar aqui”… as coisas mudaram desde então?
No final, somos sempre os mesmos ... houve pessoal que entrou e saiu da cena metal, mas os rostos que continuam a trabalhar duro não mudaram. É bom porque aqueles que estão no palco realmente sentem isso, mas é um pouco triste que todo o potencial que as bandas têm não possa ser alimentado por um apoio crescente de uma multidão maior a cada concerto.

M.I. – Já alguma vez pensaste em deixar a música? É complicado ser músico na Argentina?
O Extreme Metal não é uma opção para sobreviver no meu país. Se fizermos isso, é porque gostamos e confiamos totalmente no nosso material. Não podemos desistir da música, é isso que nos faz respirar todos os dias, podemos experimentar outros estilos e tentar encontrar caminhos diferentes, mas nós somos isto.

M.I. - Deixe uma mensagem para os fãs de metal portugueses e leitores da Metal Imperium.
Para todos aqueles animais famintos que estão a ler a Metal Imperium, “URUSHDAUR” traz carne fresca para os corvos!
Aproveitem e digam-nos qual é o vosso veredicto!
Abraço brutal das terras do sul além do mar.
NEFASS

For english version click here

Entrevista por Sónia Fonseca