• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Os Raw Decimating Brutality voltam-nos a presentear com um full-length, sete anos e muito cimento depois do seu debut. O sucessor de “Obra ó Diabo” põe de parte a temática da construção civil, mas o peso lírico (ou lítico?) continua mais que presente neste trabalho.

“Era Matarruana” leva-nos numa viagem à pré-história e aos mais belos misticismos e rituais pagãos deste período… mais ou menos. Durante cerca de meia hora os RDB apresentam-nos 15 temas de… como é que eu vos ponho isto? Escacar pedra? Sim, escacar pedra.

“Trono Oculto do Matarruano”, faixa de abertura, dá o mote ao álbum. Pequena intro; grito de guerra; gesso. Curto e grosso, rápido, rasgado (como se alguém estivesse à espera de outra coisa).

Tenho que destacar algumas faixas deste trabalho porque, ainda que o álbum valha muito mais a pena ouvido de início a fim, alguns de vocês podem estar com pressa e não ter meia hora pra ouvir tudo (Tas aqui a fazer o quê? Vai pô-lo a rolar). “Roda em Chamas”, “Calhau no Quintal”, “As Forças Ocultas dos Cromeleques”, “A Fonte de Onde Brotam as Bestas” ou “Invocação da Serpente Colossal” são excelentes exemplos.

Sendo quem são, não é surpresa que as letras (sempre tão percetíveis) sejam de natureza cómico-javarda. Desde divindades minúsculas com "mangalhos" gigantes em “Falos em Pedra” ou deuses cornudos e indígenas serranos, todas estas bases da nossa cultura são abordadas em “Era Matarruana”.

A composição do álbum é, como não podia deixar de ser, claramente direcionada para o Grind, com blasts ao pontapé e power chords a dar com um pau, deixando ainda espaço para o ocasional d-beat lentinho, numa toada mais old-school. No entanto a sua produção vai por um caminho algo diferente do habitual no género, com uma mix mais moderna, mais cheia, mais grave. Produzido pelo Miguel Tereso da Demigod Recordings, tenho a dizer que resulta lindamente. Ganha volume e dimensão sem perder a sujidade, sente-se a velocidade toda, os riffs caóticos, a voz salta cá pra fora sem abafar os outros instrumentos, e o baixo recebe uma reforçada importância nesta mix, que dá mais peso ao já por si musculado som dos RDB.

Tudo isto apenas serve para realçar o excelente trabalho de composição e execução por parte do quarteto português. A voz do Daniel está animalesca, quer no registo mais berrado quer no gutural grave, as guitarras e o baixo em uníssono criam uma parede sonora muito forte e a bateria, bem… digamos que não há muitos bateristas no nosso cantinho que atinjam aquelas velocidades (sim, Rolando, estamos a olhar pra ti).

Em suma, e vou repetir a referência, pedra muito bem escacada.

Esperemos não ter de esperar mais sete anos pelo próximo.

Nota: 9\10

Review por Jordi Lopes