• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


O quinto álbum dos Black Tusk chega quatro anos depois da morte do baixista e vocalista Jonathan Athon, em 2014. A banda conta desta vez com a presença de Chris Adams e Corey Barhorst, ex-membro dos Kylesa, a emprestar a sua voz e talento no baixo para nos trazer "TCBT". Ao contrário dos Kylesa e dos Baroness, de quem são conterrâneos, os Black Tusk mantêm um nível de intensidade e agressão semelhantes desde o início, e este álbum não é exceção.

A obra começa com a faixa "A Perfect View of Absolutely Nothing", uma introdução falada, com os 3 vocalistas da banda sobrepostos e desfasados, tornando por vezes difícil a sua compreensão se o ouvinte não estiver atento. Após este primeiro momento um pouco monótono, "Closed Eye" arranca de repente para o álbum propriamente dito, notando-se as influências de Hardcore bem à mostra no som da banda, em comparação com trabalhos anteriores. O microfone vai sendo partilhado entre três elementos do grupo, deixando o ouvinte sempre incerto do que esperar e prendendo a sua atenção à música que, por si só, raramente baixa de intensidade. É clara a emoção e energia que os Black Tusk canalizaram nesta obra, a banda carrega-nos pela duração do álbum quase sempre de prego a fundo, com pequenos intervalos entre algumas faixas para o ouvinte digerir a experiência, como a introdução de "Scalped", que é dos momentos mais fora da caixa.

A chegar à metade de "TCBT", encontramos alguns dos pontos mais altos. "Ghosts Roam" e "Ill at Ease" destacam-se pela sua intensidade num disco todo ele carregado de pujança, com a banda a despejar a sua raiva a todo o vapor, notando-se a veia Punk à mistura com o Sludge característico no som desta obra. A faixa de conclusão, "Burn the Stars", é outro momento de realce aqui, finalizando o álbum de forma bombástica. É difícil apontar grandes discrepâncias em termos de qualidade do trabalho apresentado, "TCBT" é consistente do início ao fim na sua sonoridade e congruente com o resto da obra dos Black Tusk. O álbum não tem uma produção muito refinada, mas funciona bem com o som apresentado, servindo para evidenciar a agressividade inerente à música.

Em conclusão, "TCBT" é um projeto que nada tem de ambicioso, sem intenções de reinventar ou quebrar o molde daquilo que a banda tem desenvolvido ao longo da carreira. No entanto, faz aquilo que pretende bastante bem, uns sólidos 40 minutos de música pesada carregada de raiva e vigor, sem rodeios ou papas na língua, uma descarga de adrenalina para o ouvinte.


Nota: 7.5/10

Review por João Castro