• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


A última vez que tivemos Michale Graves pelo nosso país, o norte-americano era o vocalista convidado de Marky Ramone num concerto épico na antiga sala do Santiago Alquimista em 2011. O próprio fez questão de o recordar no passado dia 10 de Fevereiro, quando a digressão europeia “Course of Empire”, que faz em nome próprio, chegou à sala lisboeta do RCA Club pela mão da Hell Xis.


Antes do prato principal da noite teríamos ainda duas bandas nacionais, e foi com pontualidade britânica que os Patrulha do Purgatório entraram em palco. A banda que reúne Miguel Newton dos Mata-Ratos a Hugo Conim dos Clockwork Boys tem disco novo, “Fuzileiros do Niilismo” e arrancou com “A Patrulha é a Salvação”, que também abre o segundo disco da Patrulha. Ao contrário do disco de estreia, “Pede a Deus Que Te Mate e Ao Diabo Que Te Leve”, onde a banda foi ao fundo do baú do punk nacional rapar alguns temas de bandas míticas, este novo disco mostra a capacidade lírica corrosiva e ao mesmo tempo trágico-cómica de Newton e companhia. Mas é com “Enterrado na Loucura” que se começam a movimentar alguns espectadores, ainda que de forma algo tímida. Apesar de inúmeros apelos para verificar da presença na sala do “primo favorito” do Hugo, o que é facto é que não se vislumbrou nenhum candidato, pelo que a banda continuou a desfilar os seus temas punk, com destaque para “Li no Correio da Manhã” ou “Lisboa a Arder”, que segundo Conim “é sempre muito bem recebido no Porto e não tanto em Lisboa, mas como algarvio não quero saber”. “Viking do Panque” e “Egas Moniz”, do novo álbum editado pela Hell Xis Records encerrou a curta prestação dos Patrulha e preparou o espaço para a chegada dos Decreto 77.


Liderados por João Punker, um dos responsáveis pela Infected Records e grande dinamizador da promoção do underground nacional, os Decreto 77 estão a ter um renascimento enquanto banda nos últimos dois anos. Basicamente um grupo de amigos que se junta para tocar punk rock, começam agora a estar realmente no roteiro dos concertos um pouco por todo o país. Duas mãos de temas, tocados depressa e bem fizeram mexer a sala do RCA, que entretanto apresentava números mais interessantes. Destaque para “Punk Rock Elite”, “Yeah Right” e o final com o incontornável “Big Bucks”, num alinhamento que já é reconhecido e permite ajuda da plateia nos coros. Desejoso de ver Michale Graves, Punker não deixou de agradecer ao Emanuel Silva e à Hell Xis pelo convite e pela carolice em fazer estas celebrações acontecerem.


Encarnando a personagem do Espantalho, Michale Graves subiu ao palco do RCA perante uma plateia disposta a fazer a festa e celebrar não só a carreira a solo no norte-americano mas, talvez até mais especificamente, ver para crer em Lisboa que temas dos Misfits o antigo vocalista iria trazer até nós, ele que participou nos discos icónicos “American Psycho” de 1997 e “Famous Monsters” de 1999. O arranque foi ao som de “Bedlam” do disco com o mesmo nome de 2016 mas foi ao segundo tema, “American Psycho”, que a festa imediatamente começou.


Com uma actuação que percorreu toda a sua discografia, pincelada por temas clássicos dos Misfits, Graves deu o litro em cima de palco durante mais de 90 minutos de concerto. Tivemos “Pumpkin Head”, “Crimson Ghost”, “The Shinning”, “Helena”, e fabulosas interpretações de “Scream”, “Crawling Eye” e “Dig Up Her Bones” no encore final, pelo que quem envergava t-shirts da banda fundada por Glenn Danzig mostrava bem o sorriso estampado no rosto. Para quem vê mais além do que a passagem de Graves pelos Misfits, “Beware”, “Earth vs Spyder” ou “Crawling Eye” encheram as medidas, não se tendo repetido a interpretação acústica dos seus temas a solo como tinha acontecido em 2011.


Graves interagiu qb com o público mas agradeceu do fundo do coração quem saiu de casa para um concerto num domingo à noite, véspera de dia de trabalho. No final, toda a banda apareceu na banca de merchandise para fotos, algo que foi bastante apreciado pelos fãs, que esgotaram t-shirts e fotos.

Texto e fotos: Vasco Rodrigues