• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Se o metal gótico gerou alguma aversão entre os fãs da música pesada fãs de coisas mais pesadas, também existem bandas capazes de gerar alguns consensos, normalmente por incluir o peso de outros subgéneros da música pesada. Os Draconian são um bom exemplo de uma banda que conseguiu superar com sucesso essa dificuldade ao longo de toda a sua carreira. Ao sexto álbum, os suecos não abrem mau nem um milímetro do seu peso característico nem da melodia melancólica que já faz parte do seu ADN e que não se limita à bela voz de Heike Langhans, que se estreia aqui nos álbuns de originais da banda, mesmo tendo entrado para o alinhamento em 2012. As guitarras conseguem transmitir aquele peso característico próprio de clássicos como My Dying Bride.

É certo que a dicotomia da voz feminina bela e melódica e dos guturais poderosos já está mais que vista, mas também é verdade que esse ponto sempre foi de passagem para muitas bandas, indo sempre para outras paragens mais acessíveis, pelo que é agradável ver quem se mantenha com o peso sempre bem presente. E essa dicotomia entre o peso e a melodia, entre a beleza e o desespero está bem patente aqui neste trabalho, sobretudo em músicas como "Pale Tortured Blue" e "No Lonelier Star". O facto do álbum também ter mais dinâmica do que aquilo que seria expectável também joga a seu favor, provando que para quem tem criatividade não há estilos esgotados.

Com nove músicas, todas acima dos seis minutos, este é um trabalho que agradará sobretudo a quem for grande fã de doom metal. Quando se falou em metal gótico, talvez se tenha levado ao engano algumas pessoas que pensavam que encontrariam aqui orquestrações em profusão e melodias acessíveis. O doom, esse é o grande elemento dominante, quer pelo andamento das músicas quer pela sua estética. E sendo essencialmente um álbum de doom, tem aquele encanto que só os (bons) álbuns doom conseguem ter, ou seja, pode até nem entrar à primeira - que entra - e pode até ser algo denso de absorver - que é, sem dúvida - mas têm um encanto especial que faz com que não se consiga deixar para trás, mesmo que se tente. É o caso, ou seja, promete tornar-se clássico.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira