• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Øysten Brun é o membro fundador de uma das maiores bandas Norueguesas, Borknagar. Prestes a lançar o 10º álbum da sua carreira “Winter Thrice”, o guitarrista esteve à conversa via skype com a Metal Imperium no passado dia 17 de Dezembro.

M.I. – O 10º álbum dos Borkanagar foi masterizado em Julho e, inicialmente, estava previsto o lançamento no Outono. O que aconteceu para as datas terem mudado?

Há muitas razões mas a mais significante foi o acidente sofrido por um dos vocalistas durante o processo de gravação. Era suposto lançá-lo no Outono mas tivemos de adiar tudo. A mistura era suposto ter acontecido em Janeiro/Fevereiro mas, devido ao acidente, não foi possível, já que ele ainda não tinha recuperado. Esta é a razão de todo o atraso.


M.I. – O título “Winter thrice” refere-se aos três invernos contínuos (Fimbulvinter) que, de acordo com a mitologia nórdica, prevêm a queda do mundo (Ragnarok). Porque escolheste este título?

Muitos me perguntam se este álbum tem alguma afirmação política mas não tem mesmo, é uma cena mais pessoal. Todos os membros da banda fizeram 40 anos, à excepção do baterista, portanto tem mais a ver com o facto de termos atingido a meia-idade! [Risos] Já está na altura de percebermos que a vida não durará eternamente, é muito frágil e curta. Esta abordagem é um pouco pessoal e filosófica e não é de todo uma análise das condições do mundo actual. Não somos uma banda política ou religiosa. O álbum é um conceito e o título tem aspectos de material anterior… é como um ciclo da vida. Adoro fazer essas ligações entre o material porque faz com que o novo material encaixe, não seja apenas mais um álbum sem ligação nenhuma ao material previamente lançado. De certa forma, “Winter Thrice” leva-nos numa viagem aos álbuns anteriores e é assim que nós gostamos de trabalhar.


M.I. – O artwork é impressionante. Quem o desenhou?

Foi Marcelo Vasco, um grande amigo meu. Já trabalhamos juntos em diferentes projectos. Ele ganhou popularidade com os trabalhos que fez para Slayer, Soulfly e outras bandas. Nós não falamos a mesma língua, já que ele é brasileiro e fala português e eu falo norueguês mas entendemo-nos perfeitamente. É super fácil trabalhar com ele, mesmo à distância. Habitualmente damos-lhe palavras chave e ele desenvolve imagens a partir daí, dando-lhes uma perspectiva diferente da nossa. É um prazer trabalhar com ele, pois não é preciso estar sempre a explicar-lhe as coisas, ele compreende rapidamente o que é pretendido.


M.I. – Tens sido o principal compositor da banda mas é costume vocês juntarem-se para escrever novo material? Como é que este processo acontece?

Bem, eu escrevo a maior parte do material, as letras e os arranjos básicos mas  costumo dizer que só faço o rascunho a preto e branco e a banda depois ajuda-me a colorir. Costumo demorar cerca de dois meses a escrever os temas mas depois demoramos cerca de quatro ou cinco meses a produzi-los, pois tentamos experimentar ideias diferentes e mudar certos pormenores dos temas. Eu faço a base mas o trabalho substancial é feito em conjunto, e essa é a parte mais desafiante e divertida de todo o projecto, é aí que a música começa a ganhar forma. É interessante saber o que os outros membros são capazes de fazer, já que há certas ideias que eu nunca teria e a magia está mesmo nisso… este álbum é um trabalho de equipa. Eu vivo na costa norueguesa, outro vive na Suécia e os outros vivem no centro e arredores de Oslo, portanto não nos encontramos com muita frequência. Estamos sempre em contacto e a enviar ficheiros uns para os outros, estamos mesmo focados na música. Há uns anos atrás, perdíamos mais tempo a socializar e a beber cervejas em vez de trabalharmos na nossa música, mas agora eu tenho a facilidade de trabalhar no meu próprio estúdio e todos temos o foco bem definido.


M.I. – Agora que têm responsabilidades de adulto (empregos, família), a criatividade flui tão bem como há uns anos atrás?

Claro que sim, até melhor! Costumo dizer que a bateria do telemóvel perde a carga mas a minha inspiração não! A vida em si é a minha inspiração e enquanto eu estiver vivo, haverá sempre algo com que trabalhar. Quando envelhecemos, amadurecemos e eu tenho a minha vida estabelecida, com mulher, casa, filhos e não tenho nenhum grande problema, portanto consigo mesmo concentrar-me na música. Quando estou a trabalhar, estou mesmo muito focado. Posso dizer que me sinto mais inspirado do que nunca e espero que tal seja um bom sinal.


M.I. - A sonoridade de “Winter Thrice” é imediatamente reconhível como Borknagar. Qual é o segredo para conseguires escrever sempre temas tão bons e tão épicos?

Bem, não sei. Há muitas razões: já faço isto desde que tinha 15 ou 16 anos e já lá vão 24 ou 25, já é parte integrante da minha vida. Posso dizer que já é como uma boa rotina para mim! A música inspira-me, faz com a que minha vida seja mais fácil, sinto-me mais energético. Agora que tenho um estúdio profissional, tenho a oportunidade de gravar em boas condições. É complicado apontar um motivo único, simplesmente não me iludo a pensar que isto é um hobby, pois é parte de mim. Depois de tantos anos a trabalhar nisto e de ter escrito e composto tantos temas, já tenho noção do que devo fazer de modo a que um tema funcione melhor!


M.I. – Pela primeira vez, o álbum inclui uma faixa com o mesmo título. Porque decidiste fazê-lo agora?

Basicamente por este ser um álbum especial. É o 10º álbum e queríamos fazer algo que fosse especial. As peças encaixam e, quando concluímos o tema “Winter Thrice”, achamos mesmo que tinha de ser o título do álbum também, pois destacava-se de todos os outros, tinha vida própria. É um tema marcante que também comporta um pouco de todo o conceito do álbum, portanto era a escolha mais evidente.


M.I. – O álbum conta com as vozes de Vintersorg, ICS Vortex, Lazare e até o vocalista original Garm. Isto por si só já é espectacular! O que é que os fãs podem esperar de “Winter Thrice”?

Por querermos comemorar o nosso 10º álbum, decidimos fazer algo muito especial mesmo! Não queríamos fazer um CD ao vivo, porque eu sou da velha guarda e não gosto desse género de coisas e prefiro álbuns normais. O especial mesmo são os arranjos vocais e, desta vez, queríamos exceder todas as expectativas. Inicialmente iríamos simplesmente incluir o Garm em pequenas partes de alguns temas mas, durante a gravação, decidimos gravar mais do que estava inicialmente previsto. Tentamos mesmo fazer algo diferente e especial e acho que é um bom álbum.


M.I. – O lyric video “The rhymes of the mountain” foi muito comentado e havia quem achasse que todos os vocalistas participavam nele.

O Garm não canta nesse mas cantam os quatro no tema título “Winter thrice” e por isso é que é um tema especial.


M.I. – A banda recentemente fez um vídeo que ainda não foi lançado. Para que tema?

Para “Winter thrice”. Será lançado em breve, mas estamos a fazer as edições finais… penso que será lançado no dia de Natal.


M.I. – Será como um presente de Natal para os fãs!

Eu ouvi dizer que será lançado nessa altura mas não tenho a certeza que seja mesmo assim.


M.I. – A banda fez 18 anos este ano… esperavas que este teu “bebé” vivesse tanto tempo? 

[Risos] Não! Quando comecei, estava simplesmente a fazer o que queria com música melódica. Nunca sonhei ser famoso ou uma estrela de rock, eu estava simplesmente a fazer música. Tem sido espectacular andar em tournée, lançar álbuns  e conhecer todos os fãs. É uma grande aventura e nunca imaginei que fosse assim. Às vezes é surreal. Eu sou um tipo do campo, não sou muito social, gosto de estar no meu estúdio e, para mim, tocar num festival é mesmo brutal. É um pouco difícil adaptar-me porque vivo uma vida normal e simples. Quando lançamos um novo álbum, tenho de me encontrar com todos os jornalistas e tal, é fixe e satisfaz-me porque sinto-me grato por todas aquelas pessoas quererem ouvir a minha música. Já me habituei mas é surreal perceber o quão poderosa a música é. Sinto-me privilegiado por fazer o que adoro!


M.I. – A maior parte dos vossos álbuns foi lançada pela Century Media. Tem sido uma longa relação, não é?

Sim, de certa forma. Tem havido altos e baixos mas os tipos são óptimos e isso e muito confortável. O primeiro contrato foi com eles, depois fomos para a Indie Records mas não funcionou muito bem e voltamos para a Century Media. Tem sido excelente, sem queixas, porque eles adoram a música e promovem-na. Eles dedicam-se profundamente e isso impressiona-me porque é uma grande editora. Evidentemente, há sempre o lado monetário mas eles fazem um bom trabalho.


M.I. – A banda tem um novo produto à venda: óleo para barba. Como surgiu a ideia?

[Risos] Foi uma cena divertida que umas pessoas nos propuseram. Eles são fãs da banda e um deles é promotor de um festival na Eslovénia, se não estou em erro. Eles perguntaram-nos se estavamos interessados e, já que todos temos barba, dissemos que sim. Não é nada extraordinário mas há tantas bandas a lançar cenas diferentes que nós decidimos fazer igual.


M.I. – Pode então dizer-se que já que estais a ficar carecas, decidiste dedicar mais cuidados aos pelos do queixo? [Risos]

[Risos] Parece-me que sim. Eu já o experimentei e é muito bom. Deixa a barba macia e cheira bem. O pessoal deve experimentar também! 


M.I. – Há planos para lançar um produto para as mulheres?

Não me parece mas nunca se sabe. Para nós fazia sentido lançar o óleo para a barba mas não foi um processo iniciado por nós, foi uma companhia que nos abordou.


M.I. – Há planos para uma tournée? Portugal estará incluído?

Não tenho a certeza. Já andamos a falar em fazer uma tournée mas ainda não sabemos aonde iremos. Já temos confirmado o Wacken e o Graspop e outros festivais mas ainda não vi Portugal na lista.


M.I. – Pensas que será possível andar em tournée com todos os vocalistas ou é só um sonho?

Seria um sonho para mim também, mas não me parece mesmo que tal vá acontecer. O Garm não é muito dado a essas cenas ao vivo. Seria um sonho mas eu não tenho a certeza que tal acontecerá… teremos de esperar para ver.


M.I. – Sendo o membro fundador da banda, estiveste presente em todos os bons e maus momentos… quão complicado é estar numa banda?

É complicado até um certo ponto, mas nem sempre. Tento focar-me em fazer música. Não há dinheiro nem riqueza envolvida, temos de sacrificar muito. Não sou um tipo social porque quase nem tenho tempo livre e, quando tenho, tenho de o “gastar” inteligentemente. Eu só quero viver uma vida normal e relaxar no sofá! [Risos] Mas tenho de me dedicar à música e fá-lo-ei enquanto sentir esta paixão. Detesto a parte dos contratos e acordos, porque eu não quero ser advogado, eu quero tocar! Tento focar-me nos aspectos positivos e resulta.


M.I. – Agora que estais a planear uma tournée, os recentes ataques de Paris não vos assustam? Não receias que vos possa acontecer o mesmo?

Não, não posso permitir-me tal medo. É horrível que tenha acontecido e eu nem tenho palavras para descrever o que sinto. Mas, nem pensar, não tenho medo. Se acontecer, aconteceu, mas não serei um escravo do medo. Prefiro pensar “Ok, vamos tocar em Paris!” do que deixar que o medo me domine porque é isso que eles querem.


M.I. – Como pai, qual consideras ser a melhor lição/valor que deves passar aos teus filhos?

Um dos mais importantes mesmo é não aceitar injustiças. Ensino-lhes que se virmos pessoal a sofrer de injustiça, devemos fazer algo e não afastarmo-nos sem nada fazer. Se virmos algo assim, não podemos aceitar e fazemos algo para o parar. Temos de nos queixar e reclamar se virmos injustiça.


M.I. – Ontem foste ao cinema ver o último episódio da saga Star Wars. Sem adiantares pormenores relativos ao filme, o que achaste?

Foi muito especial porque sou fã desde miúdo. Há uns anos tive um amigo meu a trabalhar nos filmes e tive acesso a informação privilegiada. Ontem, havia uma grande confusão pois todo o pessoal estava a tirar fotos com as personagens. O filme em si foi muito bom e fiquei satisfeito mas houve elementos que, na minha opinião, não funcionaram muito bem. De qualquer modo, foi melhor do que alguns episódios anteriores.


M.I. – Tu também partilhaste uma foto com o Darth Vader.

Foi a foto com mais likes que partilhei nos últimos tempos. 


M.I. – Agora que 2015 está a chegar ao fim, o que desejas para ti e para os Borknagar em 2016?

Desejo que consigamos fazer a tournée e que seja espectacular. Quero escrever música nova e espero que continue a haver uma boa química entre todos os membros. Enquanto estivermos a fazer o que fazemos, eu estarei feliz.


M.I. – Obrigada pelo teu tempo. Desejo-te tudo de bom. Deixa uma mensagem aos fãs portugueses da banda.

Espero que os nossos fãs e amigos ouçam o álbum e que o apreciem. Espero voltar novamente a Portugal. Fiquem bem.


Entrevista por Sónia Fonseca