• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Dois anos após o EP "Metal Police, os suecos javardos estão de volta. Esta banda já tem mais de vinte anos mas nunca conseguiu impressionar o suficiente para que fosse notada além do reduto underground de onde surgiu. Aliás, de certeza que confundiu muitos, aqueles que pensavam de que se tratava da banda norueguesa de black metal (no início da carreira, eles não tinham o "h" para diferenciar). É com este espírito que chegamos a este álbum, o que é sempre contraprocedente, já que é necessário estar com a mente e espírito aberto para qualquer coisa na vida, principalmente na análise de música, mesmo que as experiências prévias sejam negativas.

Temos treze músicas em trinta e seis minutos que demoram algum tempo a passar. Não é a questão dos lugares comuns que fazem com que esta banda seja uma banda de tributo aos Motörhead e Venom (ao mesmo tempo) e que esqueceu-se de como tocar os clássicos e começa a improvisar. Não é dizer que "Too Loud To Live, Too Drunk To Die" soa como se tivesse sido feito em cima do joelho. Apenas não soa a nada de especial. Claro que tem aquele encanto javardo que faz com que gostemos tanto dos Motörhead e Venom e tem alguns momentos que consegue cativar, como o tema título, mas fica muito pouco após findada a audição. A única coisa que fica é a capa, que é boa.

É sabido que a Metal Blade é eclética e que tenta manter os seus pés bem assentes no underground, mas ir buscar esta banda às profundezas do esquecimento sueco se calhar é rigor a mais. Não é mau (ou melhor é, mas é o ser mau que lhe confere alguma qualidade), apenas é fraquinho. Tem os mesmos argumentos dos anteriores álbuns, o que tendo em conta que já não eram famosos, não seria também agora que ficariam bons. Poderia ficar aqui a noite toda a debitar comparações, metáforas e adjectivações quando no final basta dizer que este quarto álbum dos Gehennah seria evitável mas já que a banda não o evitou e a editora ajudou, resta ao ouvinte evitá-lo.


Nota: 4/10

Review por Fernando Ferreira