• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


A Season of Mist é amiga do black metal, cada vez mais. O assinar de contrato com a entidade de underground canadiana chamada Revenge é apenas mais um (bom) exemplo disso mesmo. A banda, para quem não conheço é um caso extreme daquilo que é bruto no underground e a passagem para uma editora como a Season Of Mist não condicionou em nada a sua criatividade violenta, como aliás está bem patente neste “Behold.Total.Rejection” que é já o quinto álbum de originais e que vem na linha daquilo que a banda tem feito desde o início da carreira, inclusive ter como título de lançamento três palavras separadas apenas por um ponto.

Portanto o que ouvimos aqui é exactamente o que ouviríamos na sua editora anterior, a influente, no que ao underground da música extrema diz respeito, Nuclear War Now!, e isso é tanto bom como mau. É bom porque demonstra a integridade da banda e nem seria desejável que acontecesse o contrário. É mau porque o que temos aqui é exactamente o que tivemos nos outros quatro álbuns anteriores e em tudo o resto que a banda faz. Produção javarda, uns batuques de pedreiro que surgem a meio, representando sabe-se lá Zeus o quê, e um sentido primitivo de fazer música extrema que apesar de interessante, acaba por ser bastante limitadora. Criativamente, isto é.

Para quem é fã da banda, não tem que se preocupar, encontrará aqui exactamente o que procura, mais dez faixas na mesma linha do que já está para trás. Para quem até nem aprecia black com toques de death/grind bruto dos queixos que não tem variações de faixa para faixa. Basicamente são quarenta e um minutos divididos em dez faixas que mais parece uma. Quer nos solos de guitarra que parece que são sempre os mesmos, quer na já mencionada batida do pedreiro, quer nos riffs. A música caótica tem o seu peso e importância, mas é preciso que também tenha variações. Caso contrário, ouve-se um pouco e não há necessidade de continuar.

Nota: 5/10

Review por Fernando Ferreira