• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)



Segundo álbum da banda norte-americana de doom (daquele a roçar o funeral, mas que não chega bem ao ponto de se poder considerar como tal) que se apresentam de forma corajosa com apenas quatro temas que, em conjunto, ultrapassam a hora de duração. “Sol Invictus” é o primeiro épico, de quase vinte minutos que nos embala em desespero melancólico numa viagem que apesar de não ser fácil – admitamos, isto da melancolia é tudo muito belo e poético mas ninguém consegue andar sempre depressivo e se fomentam esse tipo de sentimento, o mais certo é, mais cedo ou mais tarde, cortarem os pulsos.

No entanto, há toda uma beleza e peso – isto para quem anda no mundo do metal compreende certamente o que se quer dizer – que não se consegue voltar as costas. O tema em questão tem quase vinte minutos. Se o mesmo não tivesse dinâmica nem variações, nem peso, nem melodias cativantes fortes, dificilmente gostaríamos ou deixaríamos que nos transportasse numa viagem que teria todo o potencial à partida para nos colocar num coma profundo, mas a verdade é que esta música, assim como todo o álbum na generalidade, pulsa de vida e de dinâmica. A própria forma como a música acaba, é um excelente exemplo disso mesmo.

A excelência detectada na “Sol Invictus” estende-se a todas as outras três músicas (épicas) e também é a prova que mesmo entre as mesmas existe também dinâmica. Se pegarmos num tema como “The Storm”, o mesmo conserva a toada melancólica que concluímos fazer parte do ADN da banda mas ainda lhe junta uma dose de esperança e de um espírito positivo que acaba por soar surpreendentemente bem. Não quer isso dizer que depois em “The Road To Awe” não volte o sentimento de opressão e de peso sorumbático. Curiosamente, o épico final, também ele com quase vinte minutos, junta os dois sentimentos, sendo a forma ideal de encerrar este trabalho.

Um trabalho denso e intenso, que fará crescer muita água nos ouvidos (e esta imagem é estranha) para todos os doomsters que por aí andem. Deathkings poderá andar pelas divisões distritais do género, mas tem tudo para saltar posições e chegar em breve à primeira liga do doom metal.


Nota: 9.1/10


Review por Fernando Ferreira