• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Os primeiros momentos da "Deathrace" prometem tanto que quando entra a voz, a desilusão é algo violenta. A banda começa como qualquer banda clássica de thrash metal começaria caso estivesse a lançar um álbum na viragem da década de oitenta para a de noventa, no entanto a voz meio gutural, meio regurgital acaba por causar um choque forte que nem mesmo as harmonias à la Iron Maiden conseguem fazer esquecer, pelo menos nos primeiros tempos. A verdade é que as longas passagens instrumentais da dita música faz com que se esqueça a voz mas a desgraçada teima em aparecer.

Se este álbum fosse instrumental, seria a maior bujarda tradicional que o mundo do metal veria em 2016. Como não é isso que acontece, acabamos por passar o álbum todo a ter o mesmo tipo de reacção quando a voz entra. Não é que não apreciemos música extrema (por amor de Zeus, isso nunca), é apenas ter a noção de que este tipo de voz além de não lembrar o diabo, soa completamente desajustada por aqui. Imaginem um Peter Steel a cantar músicas dos Carnivore cheio de efeitos na voz a tentar cantar como Oderus Urungus dos Gwar, isto debaixo água e depois de ambos terem falecido.

Isto de uma banda que teve uma primeira encarnação de 1984 a 1987, voltando depois em 2014 para lançar agora o primeiro álbum até pode soar estranho - e aguça-nos a curiosidade para ver como soavam nessa altura - mas a verdade é que este álbum de estreia poderia ter um impacto bem maior com uma outra solução em termos vocais. Ainda assim, entretém e é possível apreciar a qualidade instrumental de temas como "Void", "Heads In The Sand" e "Frost Of Inferno" sem grandes dificuldades. Fica à consideração e tolerância de cada um.

Nota: 6.7/10

Review por Fernando Ferreira