• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


E agora algo completamente diferente. Os The Poisoned Glass surgem na ressaca dos Burning Witch em 1998, cujos ex-membros Stuart Dahlquist e Edgy59 acabaram por encarnar esta nova entidade - e entidade é a palavra correcta já que a música que temos aqui parece uma coisa do outro mundo. Para quem acha que tem os horizontes abertos, nada como ouvir temas como "Plume Veil" e "Toil and Trouble" ambas diferentes mas ambas com algo em comum (aliás como as restantes músicas), o desconforto parece ser o objectivo primordial. Esse objectivo é totalmente atingido.

Temos então drones em conjunto com alguma ambiência electrónica, junto a um som de baixo experimental que tem o efeito mais de teclado (ou até mesmo drone) do que propriamente de marcar o ritmo) que resulta numa série de músicas que são tudo menos de fácil audição, no entanto, conseguindo cativar, principalmente em certos momentos - o final da já citada "Toil And Trouble" é fantástico, numa música que poderia ser bem melhor não fosse a abordagem vocal de Edgy59. Ainda assim, no geral, é um álbum que tem bastante dinâmica e consegue manter o ouvinte (com os horizontes abertos, claro) agarrado.

Não é a típica proposta de ambient nem tão pouco é a típica proposta de drone. No fundo, não é típico no quer que seja, mas também não se trata de um romper tão grande com o que já pudemos ouvir em ambos o estilo. A vertente vintage é um ponto forte, como a tensão bem forte da "Eels" num tema que poderia servir como banda sonora para um qualquer momento de tensão de filmes como "Príncipe das Trevas" ou "Assalto à 13ª Esquadra", do mestre John Carpenter. Claustrofóbico e intrigante, é um trabalho indicado apenas para quem gosta de ser surpreendido e estimulado com música experimental que não tem nada (ou quase nada) a ver com metal.


Nota: 7/10

Review por Fernando Ferreira