• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Esta dupla de Ilinois tem uma particularidade bastante caricata sendo ela que, desde 2013 que lançam um álbum por ano – eu sei, não são os únicos – e sempre na mesma data: 1 de Janeiro. O facto dos seus lançamentos serem custeados pela própria banda permite estas coisas e muito possivelmente, desde 2013, que os álbuns dos Mechina devem ser o primeiro registo musical a aparecer e abrir cada ano com uma categoria destas é um fantástico serviço ao mundo da música. 

Os Mechina são um projecto quase exclusivamente de estúdio que já perdura desde 2004, onde a cada registo têm polido e polido o seu metal industrial sinfónico, primando sempre pela qualidade da sua sonoridade em cada lançamento anual, a qual, nos últimos 2-3 anos (entenda-se também “discos”) tem fluído cada vez mais para o épico e logo a abrir com a bombástica “Godspeed, Vanguards” levamos com uma explosão de intensidade que simplesmente não dá para largar. A bateria tem um lugar proeminente como seria de esperar num registo da área do industrial, sendo o martelo pneumático de serviço que distribui destruição cósmica enquanto que o reverso da moeda: as belíssimas passagens orquestrais e teclados complementam o lado bruto da música com uma brisa de ar puro rara de se sentir, por vezes até acompanhadas de voz feminina como em “The Synesthesia Signal” enfatizando ainda mais o lado mais sublime dos Mechina. Apesar da qualidade, “As Embers Turn to Dust” apenas vacila em dois temas instrumentais no meio do disco que se desenvolvem pouco e que acabam por se arrastar até terminarem; até podem funcionar como música ambiente, mas na totalidade do álbum, acabam por ser um quanto desnecessários, especialmente quando o próprio tema-título (o qual também é instrumental) consegue-se mostrar muito superior aos outros dois.

Explorar os mundos futuristas criados pelos Mechina é uma viciante e muito agradável experiência, seja neste disco, como noutro da banda. E, no início do próximo ano, se não existir qualquer problema, conta-se que os Mechina voltarão a brindar-nos com mais um poderoso disco à sua maneira muito própria de cantar as Janeiras.

Nota: 8.8/10 

Review por Tiago Neves