• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Esta dupla de Ilinois tem uma particularidade bastante caricata sendo ela que, desde 2013 que lançam um álbum por ano – eu sei, não são os únicos – e sempre na mesma data: 1 de Janeiro. O facto dos seus lançamentos serem custeados pela própria banda permite estas coisas e muito possivelmente, desde 2013, que os álbuns dos Mechina devem ser o primeiro registo musical a aparecer e abrir cada ano com uma categoria destas é um fantástico serviço ao mundo da música. 

Os Mechina são um projecto quase exclusivamente de estúdio que já perdura desde 2004, onde a cada registo têm polido e polido o seu metal industrial sinfónico, primando sempre pela qualidade da sua sonoridade em cada lançamento anual, a qual, nos últimos 2-3 anos (entenda-se também “discos”) tem fluído cada vez mais para o épico e logo a abrir com a bombástica “Godspeed, Vanguards” levamos com uma explosão de intensidade que simplesmente não dá para largar. A bateria tem um lugar proeminente como seria de esperar num registo da área do industrial, sendo o martelo pneumático de serviço que distribui destruição cósmica enquanto que o reverso da moeda: as belíssimas passagens orquestrais e teclados complementam o lado bruto da música com uma brisa de ar puro rara de se sentir, por vezes até acompanhadas de voz feminina como em “The Synesthesia Signal” enfatizando ainda mais o lado mais sublime dos Mechina. Apesar da qualidade, “As Embers Turn to Dust” apenas vacila em dois temas instrumentais no meio do disco que se desenvolvem pouco e que acabam por se arrastar até terminarem; até podem funcionar como música ambiente, mas na totalidade do álbum, acabam por ser um quanto desnecessários, especialmente quando o próprio tema-título (o qual também é instrumental) consegue-se mostrar muito superior aos outros dois.

Explorar os mundos futuristas criados pelos Mechina é uma viciante e muito agradável experiência, seja neste disco, como noutro da banda. E, no início do próximo ano, se não existir qualquer problema, conta-se que os Mechina voltarão a brindar-nos com mais um poderoso disco à sua maneira muito própria de cantar as Janeiras.

Nota: 8.8/10 

Review por Tiago Neves