• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Esta dupla de Ilinois tem uma particularidade bastante caricata sendo ela que, desde 2013 que lançam um álbum por ano – eu sei, não são os únicos – e sempre na mesma data: 1 de Janeiro. O facto dos seus lançamentos serem custeados pela própria banda permite estas coisas e muito possivelmente, desde 2013, que os álbuns dos Mechina devem ser o primeiro registo musical a aparecer e abrir cada ano com uma categoria destas é um fantástico serviço ao mundo da música. 

Os Mechina são um projecto quase exclusivamente de estúdio que já perdura desde 2004, onde a cada registo têm polido e polido o seu metal industrial sinfónico, primando sempre pela qualidade da sua sonoridade em cada lançamento anual, a qual, nos últimos 2-3 anos (entenda-se também “discos”) tem fluído cada vez mais para o épico e logo a abrir com a bombástica “Godspeed, Vanguards” levamos com uma explosão de intensidade que simplesmente não dá para largar. A bateria tem um lugar proeminente como seria de esperar num registo da área do industrial, sendo o martelo pneumático de serviço que distribui destruição cósmica enquanto que o reverso da moeda: as belíssimas passagens orquestrais e teclados complementam o lado bruto da música com uma brisa de ar puro rara de se sentir, por vezes até acompanhadas de voz feminina como em “The Synesthesia Signal” enfatizando ainda mais o lado mais sublime dos Mechina. Apesar da qualidade, “As Embers Turn to Dust” apenas vacila em dois temas instrumentais no meio do disco que se desenvolvem pouco e que acabam por se arrastar até terminarem; até podem funcionar como música ambiente, mas na totalidade do álbum, acabam por ser um quanto desnecessários, especialmente quando o próprio tema-título (o qual também é instrumental) consegue-se mostrar muito superior aos outros dois.

Explorar os mundos futuristas criados pelos Mechina é uma viciante e muito agradável experiência, seja neste disco, como noutro da banda. E, no início do próximo ano, se não existir qualquer problema, conta-se que os Mechina voltarão a brindar-nos com mais um poderoso disco à sua maneira muito própria de cantar as Janeiras.

Nota: 8.8/10 

Review por Tiago Neves