• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Nos últimos anos tem surgido um conjunto de álbuns que, lenta mas firmemente, têm vindo a mudar o paradigma no cenário do Black Metal. Nightbringer, com o seu último full-lenght “Terra Damnata” conquistam, indubitavelmente, um lugar na lista dos must-listen do mais obscuro subgénero de Metal.

Seria impossível ouvir este álbum e não destacar o quase divinal (se me é permitida tal expressão) uso de mudanças de dinâmicas em cada composição. Tanto somos bombardeados com secções extremas, recheadas de blastbeats e linhas de guitarra caóticas, como de seguida podemos ser surpreendidos por uma envolvência negra, pausada, com toques de Funeral Doom, aparecendo ainda, em certas ocasiões, o mid-tempo do Black Metal mais clássico, podendo-se ouvir o “Slow and Trve” blastbeat em “Inheritor Of A Dying World” e em “Serpent Sun”.

As guitarras destacam-se principalmente pelas suas composições extremamente melancólicas, havendo sempre um jogo simbiótico entre o lead e o rythm (ou duplo lead) que consegue, ao longo de todo o álbum, manter as sensações de dor e melancolia, sem negligenciar as raízes extremas e agressivas do género.

Com isto tudo, consegue sobrar espaço para um baixo que, sempre presente e independente encontra, em partes mais lentas, o momento de conferir um maior groove, como podemos ouvir com maior clareza em “Of The Key And Crossed Bones”. Excelentes linhas, excelente tom.

Em relação à voz e às temáticas líricas abordadas, Naas mantêm-se fiel a si próprio. Os temas filosóficos, de exploração do ego, bem como o ocultismo pagão, assumem uma particular relevância nas suas declamações gritadas.

Condizente com a sua abrangência sonora, podemos também ouvir secções sinfónicas, quer escondendo-se por trás do caos, conferindo uma forte dimensão ambiental à composição, quer sobressaindo-se no mix, com linhas melódicas mais fortes e marcantes.

Como obra-prima do álbum, não poderia deixar de destacar “Let Silence Be His Sacred Name”, que se revela, audição após audição, uma viagem por entre aquilo de melhor que o Black Metal contemporâneo nos tem para oferecer.

Nota: 9/10

Review por Jordi Lopes