• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Nos últimos anos tem surgido um conjunto de álbuns que, lenta mas firmemente, têm vindo a mudar o paradigma no cenário do Black Metal. Nightbringer, com o seu último full-lenght “Terra Damnata” conquistam, indubitavelmente, um lugar na lista dos must-listen do mais obscuro subgénero de Metal.

Seria impossível ouvir este álbum e não destacar o quase divinal (se me é permitida tal expressão) uso de mudanças de dinâmicas em cada composição. Tanto somos bombardeados com secções extremas, recheadas de blastbeats e linhas de guitarra caóticas, como de seguida podemos ser surpreendidos por uma envolvência negra, pausada, com toques de Funeral Doom, aparecendo ainda, em certas ocasiões, o mid-tempo do Black Metal mais clássico, podendo-se ouvir o “Slow and Trve” blastbeat em “Inheritor Of A Dying World” e em “Serpent Sun”.

As guitarras destacam-se principalmente pelas suas composições extremamente melancólicas, havendo sempre um jogo simbiótico entre o lead e o rythm (ou duplo lead) que consegue, ao longo de todo o álbum, manter as sensações de dor e melancolia, sem negligenciar as raízes extremas e agressivas do género.

Com isto tudo, consegue sobrar espaço para um baixo que, sempre presente e independente encontra, em partes mais lentas, o momento de conferir um maior groove, como podemos ouvir com maior clareza em “Of The Key And Crossed Bones”. Excelentes linhas, excelente tom.

Em relação à voz e às temáticas líricas abordadas, Naas mantêm-se fiel a si próprio. Os temas filosóficos, de exploração do ego, bem como o ocultismo pagão, assumem uma particular relevância nas suas declamações gritadas.

Condizente com a sua abrangência sonora, podemos também ouvir secções sinfónicas, quer escondendo-se por trás do caos, conferindo uma forte dimensão ambiental à composição, quer sobressaindo-se no mix, com linhas melódicas mais fortes e marcantes.

Como obra-prima do álbum, não poderia deixar de destacar “Let Silence Be His Sacred Name”, que se revela, audição após audição, uma viagem por entre aquilo de melhor que o Black Metal contemporâneo nos tem para oferecer.

Nota: 9/10

Review por Jordi Lopes