• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Nos últimos anos tem surgido um conjunto de álbuns que, lenta mas firmemente, têm vindo a mudar o paradigma no cenário do Black Metal. Nightbringer, com o seu último full-lenght “Terra Damnata” conquistam, indubitavelmente, um lugar na lista dos must-listen do mais obscuro subgénero de Metal.

Seria impossível ouvir este álbum e não destacar o quase divinal (se me é permitida tal expressão) uso de mudanças de dinâmicas em cada composição. Tanto somos bombardeados com secções extremas, recheadas de blastbeats e linhas de guitarra caóticas, como de seguida podemos ser surpreendidos por uma envolvência negra, pausada, com toques de Funeral Doom, aparecendo ainda, em certas ocasiões, o mid-tempo do Black Metal mais clássico, podendo-se ouvir o “Slow and Trve” blastbeat em “Inheritor Of A Dying World” e em “Serpent Sun”.

As guitarras destacam-se principalmente pelas suas composições extremamente melancólicas, havendo sempre um jogo simbiótico entre o lead e o rythm (ou duplo lead) que consegue, ao longo de todo o álbum, manter as sensações de dor e melancolia, sem negligenciar as raízes extremas e agressivas do género.

Com isto tudo, consegue sobrar espaço para um baixo que, sempre presente e independente encontra, em partes mais lentas, o momento de conferir um maior groove, como podemos ouvir com maior clareza em “Of The Key And Crossed Bones”. Excelentes linhas, excelente tom.

Em relação à voz e às temáticas líricas abordadas, Naas mantêm-se fiel a si próprio. Os temas filosóficos, de exploração do ego, bem como o ocultismo pagão, assumem uma particular relevância nas suas declamações gritadas.

Condizente com a sua abrangência sonora, podemos também ouvir secções sinfónicas, quer escondendo-se por trás do caos, conferindo uma forte dimensão ambiental à composição, quer sobressaindo-se no mix, com linhas melódicas mais fortes e marcantes.

Como obra-prima do álbum, não poderia deixar de destacar “Let Silence Be His Sacred Name”, que se revela, audição após audição, uma viagem por entre aquilo de melhor que o Black Metal contemporâneo nos tem para oferecer.

Nota: 9/10

Review por Jordi Lopes