• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)

“Codex Omega” é a mais recente obra prima dos deuses gregos, SepticFlesh. Cada álbum é recebido com excelentes críticas e este não é excepção. Lançado no dia 1 de Setembro, “Codex Omega” é intenso e inspirador e o Sotiris V. contou-nos tudo. 

M.I. – O vosso álbum “Codex Omega” está prestes a ser lançado… como te sentes sempre que um novo álbum vai ser editado? O que se pode esperar de “Codex Omega”? Ficas nervoso como, provavelmente, ficavas no início da carreira? 

Sim, é algo que não muda. Cada vez somos mais exigentes e temos que corresponder às expectativas a cada novo álbum. Mas só avançamos com a ideia de fazer um álbum quando estamos 100% satisfeitos com as letras e as músicas e só depois é que entramos em estúdio para as gravações. “Codex Omega” envolveu muito trabalho e muitas emoções. Penso que os nossos fãs ficarão contentes com o resultado, porque nós estamos. 


M.I. – “3rd Testament” esteve no top Spotify ‘New Metal Tracks’ na semana em que saiu, por ser completamente viciante, como a maioria dos vossos temas. Qual é a fórmula secreta por trás de músicas tão poderosas? 

O nosso segredo é trabalho em equipa. Há uma grande química entre os membros de Septicflesh e cada um contribui com algo característico e pessoal para o nosso som. Levámo-nos ao limite para quebrar barreiras, pois somos os nossos maiores críticos. Trabalhamos imenso para encontrar as melhores ideias para que os nossos temas consigam perdurar durante muito tempo. 


M.I. – Uma banda como SepticFlesh pensa exaustivamente em todos os aspectos do álbum, nada é deixado ao acaso… podes esclarecer-nos sobre o significado da capa, mais uma vez desenhada pelo talentoso Seth Siro.

A figura principal, chamemos-lhe a Rainha sem rosto, aparenta ser maléfica e a sua cabeça é como um útero aberto. No lugar do cérebro existe o que parece ser um bebé inocente. Mas o aspecto pode ser enganador… existe uma pista no prólogo do tema “The Gospels of Fear”. 


M.I. – O tema “Dante’s Inferno” foi inspirado no poema de Dante Alighieri? Onde vos inspirais para escrever letras tão elaboradas e profundas?

No geral, como letrista, não me quero limitar a um ou dois assuntos e existe uma grande variedade de assuntos abordados nos nossos álbuns. Escrevo sempre sobre coisas que me impressionam, positiva ou negativamente, mas de uma forma poderosa. A literatura e a literatura clássica, em geral, são excelentes fontes de inspiração. No novo álbum tive a oportunidade de prestar homenagem ao famoso poeta Dante. 


M.I. - Fotis Benardo já não é o baterista neste álbum. Agora têm KRIMH. Foi complicado encontrar o baterista perfeito para a banda? 

Felizmente, encontramos rapidamente o tipo perfeito para o trabalho.Foi uma questão de sorte e bom timing. O Krimh é um baterista fantástico e conseguimos ficar com ele antes que outra banda aparecesse. Ele deu um grande contributo para a criação de “Codex Omega”, até com alguns riffs de guitarra. 


M.I. - “Codex Omega” incluí 2 discos. Porquê? O disco 2 só tem 3 faixas (uma versão orquestral de um tema no disc0 1)... é mais orientado para os fãs mais acérrimos?

Os 3 temas de que falas duram 25 minutos e têm uma mistura diferente da lógica do álbum, formando uma espécie de banda sonora já que são basicamente partes orquestradas. São para toda a gente ouvir. Cada ouvinte encontrará uma miríade de pequenos detalhes que fazem com que estas versões se destaquem. 


M.I. – A Season of Mist tem sido a vossa editora nos últimos 10 anos. Como é a vossa relação? 

Excelente. Tudo corre bem. É uma longa e bem sucedida cooperação. 


M.I. – Vocês quebraram o recorde da Season of Mist com o número mais elevado de pré-vendas com o álbum " Codex Omega ". Qual foi a tua primeira reacção ao saber disto? 

Como deves imaginar, ficámos maravilhados com esta “conquista”. Este foi o sinal de que a nossa base de fãs está a crescer e que há muita gente “esfomeada” por este novo álbum. 


M.I. – As fotos promocionais foram tiradas por um fotógrafa grega e os fatos feitos por um artista grego de efeitos especiais. É importante para vocês ajudarem artistas gregos?

Sim. Há aqui grandes artistas cheios de talentos e é bom poder apoiá-los. Na época do “Titan” começamos uma colaboração com Prokopis Vlaseros para a criação dos nossos fatos, sob a supervisão do Seth que é o responsável pelo aspecto visual da banda. Ele é especialista em efeitos especiais e tem mesmo uma loja de trabalho de horror em Atenas. Agora com “Codex Omega” também colaboramos com Stella Mourouzi, para as fotografias da banda. 


M.I. – Há muitos concertos já marcados e o vosso Outono será muito preenchido… podemos esperar ver-vos ao vivo em Portugal?

Não temos nada confirmado neste momento mas, definitivamente, queremos ir a Portugal, portanto sei que se arranjará qualquer coisa para a tournée de “Codex Omega”. 


M.I. – A banda fez uma tournée na Rússia neste ano e agora vai arrancar com uma nova tournée no Outono… como arranjaram tempo para gravar e misturar “Codex Omega”?

Bem, no Outono vamos embarcar numa longa tournée pela América Latina com os Fleshgod Apocalypse. De qualquer maneira, durante o tempo em que compusemos e gravámos “Codex Omega”, os concertos eram poucos, já que queríamos estar inteiramente focados na criação do novo álbum. As gravações principais e o processo de mistura ocorreram entre Dezembro 2016 e Janeiro 2017. 


M.I. – Sei que tocar na Grécia deve ser especial por ser a vossa terra natal, mas qual o melhor lugar em que já tocaste? E o pior? 

Bem, recordo-me de excelentes concertos na Grécia, provavelmente por razões sentimentais já que tocamos com a nossa banda preferida, Dead Can Dance, e tivemos a oportunidade de os conhecer. Isso aconteceu no Rockwave Festival em Atenas em 2013 e para mim foi o melhor. O pior foi Metal Healing festival 2007 por ser um dos mais desorganizados de que me lembro. 


M.I. – O que tem de pior a indústria musical hoje em dia?

A indústria musical adoptou os métodos de lavagem cerebral e usa-os em abundância.

For English version, click here


Entrevista realizada por Sónia