• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)

Foto de Akercocke.

"Finalmente o novo álbum dos Akercocke!” disseram inúmeros fãs e apreciadores de música pesada pelo mundo fora quando souberam, ainda no ano passado, que a banda estava a preparar o sucessor de “Antichrist”, registo que tem já uns valentes dez aninhos de distância deste novo álbum, anos esses marcados por uma desfragmentação da banda que se veio a pensar ser definitiva. Felizmente não foi.

O tema de apresentação, “Inner Sanctum”, já tinha sido apresentado mais de um ano antes de “Renaissance” sair e o mesmo cumpriu na perfeição a função de aguçar o apetite por nova música do colectivo britânico que, tendo apenas este pequeno tema como base, prometia trazer ao de cima o lado mais progressivo dos Akercocke. E quem assim pensou não saiu enganado: “Renaissance In Extremis” não é apenas o mais progressivo como também o mais ecléctico e diferente registo da banda.

O disco abre em grande com “Disappear”, um tema que traz ao de cima malhas como “Verdelet”, que mostra a banda em todas as suas facetas desde a raiva até às melodias serenas. Demonstra um dinâmico e contagiante trabalho de guitarra oferecido por Paul Scanlan e Jason Mendonça que se expande pelo resto do disco em solos belíssimos e riffs sedutores que fazem com que cada segundo de música seja bem aproveitado. A esta faixa seguem-se três outros temas fenomenais: “Unbound by Sin”, a densa e melancólica “Insentience” e o tema mais agressivo do disco “First To Leave The Funeral”. Só aqui, nesta primeira metade, os Akercocke compensaram os dez anos de espera, mostrando que não se limitaram a fazer uma sequência do que realizaram no passado mas que deram um grande passo evolutivo na forma como fazem música e como a encaram.

Daqui para a frente é que as coisas já não são tão estrondosas. E que não se entenda este comentário como “a segunda metade é fraca”, longe disso pois, como já foi escrito, este é o álbum mais singular da carreira da banda. Daí para a frente, abrindo excepção para o já conhecido e bastante multifacetado “Inner Sanctum”, o álbum é composto por melodias outonais, no entanto, não é aí que reside a diferença, já que da 5ª faixa para a frente temos uma sequência de temas que seria errado chamar de “baladas”, mas que suavizam bastante o resultado final de“Renaissance…”, que é o lançamento mais melodioso produzido pelos Akercocke na sua já longa e muito prestigiada carreira. A diferença está na forma como a banda, inteligentemente, conseguiu evoluir a sua sonoridade em todos os aspectos e até mesmo a nível lírico, vemos especialmente em temas como “One Chapter Closing For Another To Begin” uns Akercocke mais intimistas do que antes. 

“Renaissance In Extremis” não vai, nem foi feito para tomar o lugar de obras passadas como “Chorozon” ou “Words That Go Unspoken, Deeds That Go Undone”, mas foi concebido para ter um lugar próprio na discografia da banda e outro lugar que há de ocupar pela certa é no topo das listas de melhor álbum do ano para muita gente.

Nota: 9.3/10

Review por Tiago Neves