• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)

Foto de Akercocke.

"Finalmente o novo álbum dos Akercocke!” disseram inúmeros fãs e apreciadores de música pesada pelo mundo fora quando souberam, ainda no ano passado, que a banda estava a preparar o sucessor de “Antichrist”, registo que tem já uns valentes dez aninhos de distância deste novo álbum, anos esses marcados por uma desfragmentação da banda que se veio a pensar ser definitiva. Felizmente não foi.

O tema de apresentação, “Inner Sanctum”, já tinha sido apresentado mais de um ano antes de “Renaissance” sair e o mesmo cumpriu na perfeição a função de aguçar o apetite por nova música do colectivo britânico que, tendo apenas este pequeno tema como base, prometia trazer ao de cima o lado mais progressivo dos Akercocke. E quem assim pensou não saiu enganado: “Renaissance In Extremis” não é apenas o mais progressivo como também o mais ecléctico e diferente registo da banda.

O disco abre em grande com “Disappear”, um tema que traz ao de cima malhas como “Verdelet”, que mostra a banda em todas as suas facetas desde a raiva até às melodias serenas. Demonstra um dinâmico e contagiante trabalho de guitarra oferecido por Paul Scanlan e Jason Mendonça que se expande pelo resto do disco em solos belíssimos e riffs sedutores que fazem com que cada segundo de música seja bem aproveitado. A esta faixa seguem-se três outros temas fenomenais: “Unbound by Sin”, a densa e melancólica “Insentience” e o tema mais agressivo do disco “First To Leave The Funeral”. Só aqui, nesta primeira metade, os Akercocke compensaram os dez anos de espera, mostrando que não se limitaram a fazer uma sequência do que realizaram no passado mas que deram um grande passo evolutivo na forma como fazem música e como a encaram.

Daqui para a frente é que as coisas já não são tão estrondosas. E que não se entenda este comentário como “a segunda metade é fraca”, longe disso pois, como já foi escrito, este é o álbum mais singular da carreira da banda. Daí para a frente, abrindo excepção para o já conhecido e bastante multifacetado “Inner Sanctum”, o álbum é composto por melodias outonais, no entanto, não é aí que reside a diferença, já que da 5ª faixa para a frente temos uma sequência de temas que seria errado chamar de “baladas”, mas que suavizam bastante o resultado final de“Renaissance…”, que é o lançamento mais melodioso produzido pelos Akercocke na sua já longa e muito prestigiada carreira. A diferença está na forma como a banda, inteligentemente, conseguiu evoluir a sua sonoridade em todos os aspectos e até mesmo a nível lírico, vemos especialmente em temas como “One Chapter Closing For Another To Begin” uns Akercocke mais intimistas do que antes. 

“Renaissance In Extremis” não vai, nem foi feito para tomar o lugar de obras passadas como “Chorozon” ou “Words That Go Unspoken, Deeds That Go Undone”, mas foi concebido para ter um lugar próprio na discografia da banda e outro lugar que há de ocupar pela certa é no topo das listas de melhor álbum do ano para muita gente.

Nota: 9.3/10

Review por Tiago Neves