• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)



Os Epica prometeram e, em pouco tempo, cumpriram. Estávamos nós em pleno verão, no VOA Fest, em Corroios, quando Simone Simons garantiu que a banda ia regressar a Portugal muito em breve. Três meses depois, duas datas em terras lusas: uma em Lisboa, na Sala Tejo da Altice Arena (da qual vimos falar) e outra no Porto (Hard Club). Consigo trouxeram os Vuur e Myrath. 


Os Myrath vêm da Tunísia e nem por sombras escondem as suas origens. Trazem-nos um metal progressivo com influências árabes e, com essa mistura, não deixam ninguém indiferente. O vocalista Zaher Zorgati mostrou-se bastante carismático ao longe da atuação, interagindo com o público português da melhor forma…falando a língua portuguesa. “Vocês são brutais!”, disse ele, com um sorriso de orelha a orelha. Nesta noite, a banda concentrou-se essencialmente no seu último registo, “Legacy”, lançado no ano passado. É, ainda, de salientar que a portuguesa Kahina Spirit tem vindo a acompanhar a banda na presente tour. Com a sua dança oriental, veio complementar na perfeição a influência árabe dos Myrath. Infelizmente, o tempo de atuação foi curto e ficou a vontade de vê-los em nome próprio. É, sem dúvida, merecido (e necessário!).




Anneke Van Giersbergen é uma vocalista bastante acarinhada pelo público, essencialmente reconhecida por fazer parte dos The Gathering, mas, também, por integrar outros projetos como os The Gentle Storm ou Agua de Annique. Assim, muito embora os Vuur sejam uma banda bastante recente, havia muita expectativa para este concerto. Vieram apresentar o seu álbum de estreia, "In This Moment We Are Free – Cities", lançado há menos de um mês. É de referir que este registo se mostrou mais pesado ao vivo do que na versão de estúdio. Efetivamente, é inegável a qualidade dos músicos presentes na banda. Porém, também é verdade que, infelizmente, a voz de Anneke foi abafada algumas vezes pelo instrumental. De qualquer forma, foi uma prestação louvável e, inevitavelmente, o público reagiu com especial ênfase perante os temas “The Storm” (dos The Gentle Storm) e “Strange Machines” (dos The Gathering). 


Os Epica têm estado imparáveis. No ano passado lançaram “The Holographic Principle”, que foi bastante bem-recebido pelo público. Este ano, mais propriamente no passado mês de setembro, surgem com o EP “The Solace System”. Se muitas vezes ouvimos dizer que quantidade não significa qualidade, o mesmo não se aplica a estes holandeses. Certamente por esse motivo tínhamos uma Sala Tejo bem composta, mesmo relembrando que a última passagem da banda por Portugal tinha ocorrido apenas há três meses. De qualquer forma, metade da setlist apresentada na Sala Tejo diferiu daquela ouvida no VOA Fest, pelo que concertos dos Epica nunca são demais! Enquanto se ouvia “Eidola”, o público ficava cada vez mais ansioso. A banda entra em palco com “Edge of the Blade”, um tema tão cativante que nem parece que o conhecemos há apenas um ano. “Sensorium” fez o público gritar fervorosamente pelo nome da banda e “Fight Your Demons” foi apresentado pela primeira vez no nosso país, o único tema do novo EP que pudemos ouvir esta noite. “Storm the Sorrow” arrancou palmas de toda a plateia, sem qualquer pedido por parte da banda. Para os mais distraídos, os Epica significam "a banda de Simone Simons e companhia". Na realidade, Simone está acompanhada de músicos que, não só são bastante competentes, como têm uma presença em palco e energia completamente contagiantes. Basta pensar nas brincadeiras memoráveis do teclista Coen Janssen, que simplesmente não sabe estar quieto e arranjou instrumentos à altura! Entre o teclado giratório, que anda de um lado para o outro no palco, e o teclado curvado (o famoso “keyboard in motion”), Coen esteve imparável. Inclusive, decidiu passear por entre o público, enquanto tocava. Mas não se pense que teve exclusividade nesse campo: o guitarrista Isaac Delahaye também decidiu “dar a volta ao campo”, para delícia dos fãs. “Unleashed” , “The Holographic Principle – A Profound Understanding of Reality”, “Reverence (Living In A Heart)”, “Victims Of Contingency” e “Unchain Utopia” – foi um desfilar de temas que não deixaram parar um minuto. “Once Upon A Nightmare” surge antes do encore e leva a plateia a iluminar a sala com as luzes que tivessem ao seu dispor. O encore foi igualmente poderoso: “Sancta Terra”, “Beyond the Matrix” e a necessária “Consign to Oblivion”. A voz de Simone esteve brilhante, como já nos tem vindo a habituar, e só faltou “Cry for the Moon” (que foi feito dela?) para a noite ser verdadeiramente em cheio. Não se esqueçam dela na próxima vez! Pode ser já para o ano.


Texto por Sara Delgado
Fotografia por Ana Mendes

Agradecimentos: Prime Artists