• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Coimbra é tunas, é trajes académicos, é serenadas ao luar, certo? Errado. Coimbra é underground, é Battle Jackets, é correntes, é Punk, é Metal, é Thrash. Os Terror Empire, mais uma vez, relembram-nos disso, com uma chapada na cara, de seu título “Obscurity Rising”.

Pouco mais de dois anos após o seu segundo lançamento (primeiro full-length) “The Empie Strikes Black”, o quinteto conimbricense presenteia-nos com mais um disco de originais, com selo da Mosher Records  e com gravação nos Golden Jack Studios. Nesta recopilação de 11 (duas são introduções) novas composições da banda, a fórmula mantém-se em relação aos trabalhos anteriores, equipa que ganha não mexe, não é? Thrash agressivo, direto, grave, rápido, com um cheirinho de Death Metal, onde não faltam guturais, blast beats, e tremolos. O nível, esse é que não pára de subir.

Neste álbum, conseguimos sentir a versatilidade e o à vontade dos músicos em trabalhar em diferentes dinâmicas e tempos. Não sendo necessário (nem suposto) reinventar a roda para fazer um bom álbum do género, não deixa de ser prazeroso e uma lufada de ar fresco quando no mesmo trabalho podemos ouvir desde Thrash mid-tempo (180-200 bpm’s), a faixas com velocidades mais extremas (225-250 bpm’s) e quando por ventura nos surge uma time signature que não o clássico 4/4.
Falando em clássico, quão intemporal é começar um álbum com uma intro lenta e melodiosa, com acústicos e breakdowns, para depois rebentar num 1º tema carregado de “tum-pa tum-pa” de início ao fim? Exato. E eles fizeram-no, outra vez.

Depois de duas músicas a todo o gás, somos surpreendidos com uma das composições mais lentas e mais progressivas deste LP. “Times of War” conta com o riff mais ritmicamente complexo deste trabalho e, só no solo final, é que somos recompensados com a jarda que se vinha acumulando desde o início do tema. Com “Holy Greed”, é recuperado o ritmo frenético que caracteriza a banda e que nos acompanhará até ao final do álbum. E porque um bom álbum acarreta a pressão de um bom finale, os Terror Empire escolheram “New Dictators” para a viagem final. A Música mais extensa do álbum, onde podemos ouvir um pouco de todos os elementos estilísticos que definem este lançamento e que conta ainda com um solo do guitarrista Gus Drax (ex-Biomechanical, Sunburst, Black Fate, etc.).

Não subvalorizando qualquer faixa e, tendo como referência assumida gosto pessoal, não podia deixar de enaltecer malhas como “Burn the Flags” (single do álbum, com videoclip), “Lust” ou “Soldiers of Nothing”. Importantíssimo também realçar, não só a composição do álbum, como a sua excelente execução a nível técnico e de produção/masterização. 

Os riffs, quer na guitarra quer no baixo, não são nada de fácil execução àquelas velocidades sem qualquer tipo de desencontro ou sloppiness. A bateria, desde os D-beats, aos blasts, aos fills, está a um nível elevadíssimo, do melhor que se faz a nível nacional e a voz apresenta um equilíbrio notável daquele limbo entre o rasgado grave e o gutural, sem descuidar secções mais limpas e melodiosas.

A produção, por sua vez, permite que se percebam todas as tecnicalidades das músicas com nitidez e com presença, mas sem perder demasiada sujidade ou toque humano, não caindo no overproducing como tem acontecido a muitas bandas do panorama nacional e internacional. Existe também evolução na produção e isso beneficia largamente o trabalho dos Terror Empire.

Aproveito também para destacar a coesão do álbum que, com cerca de 42 minutos, não desperdiça tempo com fillers e mediocridades. Sendo eu defensor de que as bandas, de modo a preservar um nível elevado nos seus lançamentos, deveriam optar mais pelo formato do EP com 5/6 músicas, neste “Obscurity Rising” todas as faixas têm razão de ser e isso não é fácil de conseguir em 42 min de Thrash. (Nunca me canso de lembrar que o “Reign in Blood” tem 29 min)

Numa altura em que o Thrash Metal nacional tem sido bem tratado com álbuns recentes de bandas como Switchtense, Prayers of Sanity, Revolution Within ou Wrath Sins, não há dúvida nenhuma que os Terror Empire estão aqui para subir a parada.

Nota: 9/10

Review por Jordi Lopes