• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


O primeiro tema que ouvi do mais recente de Joe Satriani, “Thunder High on the Mountain”, e que tenho revisitado quase diariamente resume os elementos mais característicos do som de Joe Satriani. Passo a explicar, este tema reúne riffs contagiantes e épicos, secção rítmica sólida, apontamentos em teclado que aumentam a sua grandiosidade e solos que servem de perguntas e respostas entre o guitarrista.

Mas este álbum destaca-se, à partida, por ser uma colaboração, rara para o guitarrista, em formato trio, tendo como membros da secção rítmica Chad Smith (Red Hot Chilli Peppers e Chickenfoot) a mostrar-se versátil e pesado na bateria como um baterista veterano de hard rock se tratasse, e Glenn Hughes no baixo (mais conhecido por Deep Purple e Black Country Comunnion), que aqui se foca no seu instrumento, ao invés de se servir da sua voz.

Com efeito, trata-se de um álbum que, do ponto de vista musical , representa uma marca única na discografia de Joe Satriani, quanto mais não seja pela formação de músicos utilizados, quer pelo facto de os músicos em questão estarem fora do que se poderá considerar a sua zona de conforto. E essa saída da zona de conforto nota-se nas músicas, que lembram tanto Satriani da fase de “Super Colossal” (“Thunder High on the Mountain”) e “Professor Satchafunkilus and the Musterion of Rock” (na boa disposição e à vontade de "Catbot"), para citar alguns exemplos.

Ainda, os próprios temas relembram outros artistas como os Muse (atenção aos teclados em “Cherry Blossoms”) ou Tom Petty and the Heartbreakers, no rock de “What Happens Next”, no qual se destaca uma guitarra ritmo característica do som desse conjunto.

Podendo ou não ser um ponto de viragem artístico para Joe Satriani, “What Happens Next” é em si, um excelente exemplo do talento do guitarrista como compositor e como solista que fala através do seu instrumento como poucos conseguem no universo rock, o que por si só já é muito bom numa carreira de mais de trinta anos. As músicas, como temas individuais, destacam-se bem umas das outras, mas formam um todo coeso que conta uma história com princípio, meio e fim. Recomenda-se tanto a fãs deste guitarrista como a fãs de rock instrumental que ainda não o conheçam.

Nota: 7/10

Review por Raúl Avelar