• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Total Pageviews

Reviews Mais Recentes


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Ghost estreiam duas novas músicas ao vivo

Os Ghost fizeram um inicio "oficioso" da sua próxima digressão mundial no "The Roxy", em Hollywood, Los Angeles, e presentearam os fãs que(...)

Roy Khan confessa que sair dos Kamelot foi a "melhor decisão" que alguma vez tomou

Roy Sætre Khantatat, conhecido como Roy Khan, ou mais conhecido como o antigo vocalista dos Kamelot, falou à italiana SpazioRock (...)

Epica lançam vídeo para “Universal Love Squad”

Os holandeses lançaram recentemente o vídeo para a canção “Universal Love Squad”, sendo possível visualizar o mesmo (...)

Morbid Angel disponibilizam novo vídeo

A banda de death metal Morbid Angel divulgou recentemente um novo vídeo para o tema "Garden Of Disdain", pertencente ao mais recente álbum, "Kingdoms Disdained". (...)

Alice In Chains lançam vídeo para novo single

"The One You Know" é o novo single dos Alice In Chains, que pode ser ouvido no vídeo acima. A faixa faz parte do próximo álbum da banda, (...)


Data esperada com expectativa. Iniciava-se um ciclo de colaborações entre o Musicbox Lisboa e a promotora Le Congs Shows dedicado ao metal. Para a celebração foram convidadas três bandas portuguesas em destaque: Legacy Of Cynthia, Primal Attack e Switchtense.

Os Legacy Of Cynthia abriram a noite com energia e senso dramático, tocando o essencial do último álbum “Danse Macabre” de 2016, de “Rats and Rattlesnakes” a “Cabaret”. A inclusão dos teclados dá um toque especial, e os instrumentistas preparam a entrada do vocalista que, invariavelmente, nos surpreende com uma indumentária diferente a cada concerto- desta vez, escolheu uma sweatshirt de capuz por cima de meia de rede na cabeça! Depois, é só abanar a cabeça ao ritmo delirante das guitarras e baixo. Prestação necessariamente mais curta que as outras bandas, mas totalmente cativante, ao ponto do palco parecer pequeno para o sexteto de Sintra.

A sala, agradavelmente composta até à altura, encheu completamente para a recepção aos Primal Attack. A banda de Lisboa atacou os primeiros temas com enorme entrega e não deu tréguas, no som e no apelo à participação do público. Uma secção rítmica fortíssima, malhas envolventes, solos de guitarra na altura certa, vocais poderosos, tudo o que vem caracterizando o som dos Primal Attack nestes seus 5 anos e tal de existência. Temas como “The Prodigal One” e “Halfborn”, do álbum de 2017 “Heartless Oppressor”, pegaram completamente no público, não eram poucos os que conheciam as letras de cor, abanavam-se cabeças a compasso e ensaiava-se a roda, só se respirou no fim…

O intervalo durou apenas o tempo necessário para refrescar um pouco e ajustar pormenores técnicos, e logo vieram os conceituados Switchtense. O quarteto da Moita iniciou a sua prestação com absoluto profissionalismo, uma máquina muito bem afinada, entremeando os temas do seu álbum de 2016 “Flesh & Bones” com malhas mais antigas. Com o público rendido à intensidade do som- e já quente dos concertos anteriores-, logo se foi fazendo a roda, entoando os refrões e, eventualmente, um ou outro exercício de stage diving e crowd surfing bem-comportados. Pelo meio, o excelente comunicador que é o vocalista Hugo Andrade, fez uma breve dissertação sobre a importância deste tipo de eventos no âmbito do underground nacional, e revelou que a banda já não ensaia com tanta assiduidade por razões de ordem pessoal dos seus elementos. O que não se notou, em absoluto, na prestação dos Switchtense, tocaram um pouco mais de 1 hora, mas pareceu menos, tal a intensidade.

As três bandas foram unânimes nos agradecimentos ao Musicbox Lisboa, à Le Congs Shows, ao pessoal técnico e de apoio, e ao público em geral, e este evento de estreia acabou como uma espécie de celebração entre amigos, com a promessa auspiciosa de novos excelentes capítulos.

Texto por Pedro Rodrigues
Agradecimentos: Le Congs Shows