• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Alcest revelam detalhes sobre novo álbum

Depois de um longo e intenso período de trabalho no Drudenhaus Studio, os Alcest anunciaram o término das gravações do seu sexto registo. (...)

Korn lançam novo álbum em setembro e divulgam novo single

Os Korn preparam-se para lançar o seu novo álbum, "The Nothing", no dia 13 de setembro, através da Roadrunner/Elektra

Killswitch Engage lançam novo single

Os Killswitch Engage continuam a antecipar o seu novo álbum. Para o efeito, a banda divulgou agora o primeiro single do mesmo, "Unleashed", que pode ser ouvido (...)

Testament - Novo álbum será lançado no princípio do próximo ano

O vocalista Chuck Billy e o guitarrista Eric Peterson revelaram há dias, no festival francês Hellfest, que gravaram todas as faixas para o próximo álbum (...)

Possessed, Burn Damage @ RCA Club, Lisboa – 18Jun2019

Quando eu era um jovem apreciador de metal, nos finais da década de 80, Portugal era um deserto no que toca a concertos de sons mais pesados, e quando havia algum, por exemplo no mítico Pavilhão do Dramático de Cascais, (...)


Após o lançamento de uma demo em 2016 e de um EP em 2017, os dinamarqueses trazem-nos o seu álbum de estreia este ano sob o estandarte da Blood Harvest.

Estes Taphos, pertencentes à mesma cena dinamarquesade Death Metal que Phrenelith e Undergang, dois projetos que lançaram no ano passado álbuns de alta  qualidade e bastante referenciados, mostram-nos neste disco uma clara progressão do som que vinham a conjurar desde a primeira demo. Inicialmente nessa demo denotava-se um som mais cru e thrashy remontando para bandas do Death Metal escandinavo dos inícios da década de 90, como Abhorrence ou até mesmo Necrophobic. No EP notou-se uma maior infusão de elementos de Black Metal, transformando o som em algo mais reminescente dos veteranos Sadistic Intent ou de Dead Congregation e a tentativa de alcançar um som mais épico que, de facto, foi concretizada em plenitude com o lançamento do “Come Ethereal Somberness”.

Com este álbum a banda conseguiu manter a agressividade que tinha já demonstrado nos lançamentos anteriores mas, ao mesmo tempo, construir faixas freneticamente épicas, repletas de ótimas leads de guitarra e riffs negros mas catchy, por vezes algo melodiosos, praticamente sem nunca baixar o ritmo mas nunca repetitivos. Taphos conseguiram construir uma fórmula perfeita para qualquer amante de Black e Death Metal ao não comprometer a destruição e velocidade dos seus riffs, sendo capazes de meticulosamente adicionar passagens mais épicas e tremendos solos de guitarra que dão dinamismo à música. O melhor exemplo disto será a faixa “Livores”, a última antes da interlude final, que começa com um riff pesadíssimo, que podia ser tirado de uma música de Immolation, mas que tem no meio a passagem mais épica de todo o disco, possuindo épicos e sinistros cantos, intercalados por melódicos mas bizarros solos de guitarra, relembrando os mexicanos The Chasm, mais grandiosos no seu som.

Os dinamarqueses conseguiram portanto o que será certamente um dos álbuns de referência do género para 2018, uma obra totalmente maníaca mas nunca atingindo a barbárie total, possuindo uma classe e um adorno raramente visto no Death Metal mais cavernoso.

Nota: 9/10

Review por Filipe Mendes