• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Os poucos mas assíduos e fiéis admiradores da prolífica cena nacional de Black Metal, reuniram-se mais uma vez no RCA Club, desta vez para testemunhar a apresentação dos novos álbuns de Black Howling e Irae, muito bem recebidos internacionalmente dentro deste nicho musical.

Os Black Howling entram, para uma plateia ainda muito reduzida (e que provavelmente não chegou a ultrapassar metade da capacidade do RCA). Iniciam o set com uma música que não faz parte do novo LP mas que não é de todo menos potente. Com o seu som monolítico e melancólico de Black/Doom rastejante e angustiante, a banda envolve a plateia na escuridão e misticismo, debaixo do peso enorme da atmosfera que evocam. Logo desde início podemos notar um problema sonoro que nos acompanha, infelizmente, durante toda a atuação, pois o som proveniente da guitarra de um dos membros, que toca a maioria dos solos da banda, estava inaudível debaixo de toda a avalanche de som protagonizada pelos Black Howling, e muito abafado pelo baixo que fazia tremer todo o RCA com as suas revibrações abismais.

O primeiro acorde dissonante, da faixa de introdução ao álbum, como um vendaval, começa a ressoar e os Black Howling iniciam assim a apresentação do “Return of Primordial Stillness”, brilhante álbum que tinham tocado já uma vez este ano no concerto de despedida de Inverno Eterno. De seguida, entra o riff mais pesado e rastejante deste registo que cativa logo o ouvinte. Logo nesta faixa podemos testemunhar os pontos mais fortes da banda durante esta atuação, são eles o monolítico som do baixo, os excelentes e arrepiantes growls dos backing vocals e a excelente, dramática e sofrida prestação em palco do vocalista, que se parece com um guerreiro solitário, perdido e enlouquecido pelas chagas dos seus atos, coberto pelo “sangue” da sua pintura e com um colar ao peito com vértebras daqueles que caíram perante ele. A prestação vocal do frontman é também de destacar, em especial os brilhantes e cerimoniais vocais limpos que tanto enriqueceram este álbum. E foi esta a sonoridade que nos foi acompanhando ao longo de todo o concerto, com o senão de, devido aos problemas sonoros, os riffs mais rápidos em tremolo picking e acompanhados pelos blast beats primitivos do baterista serem dificilmente distinguíveis debaixo de toda a barragem sonora (assim como os brilhantes melódicos solos de um dos guitarristas) mas que criaram, mesmo assim, momentos esmagadores de Black Metal no seu estado mais despido e primitivo.

Os Black Howling terminam o set com a faixa que encerra o álbum, “Cosmic Oblivion”, a bela e catártica instrumental e ao cessar, tendo cumprido o seu papel, retiram-se do palco solenemente, sem se dirigirem ao publico, tão cripticamente como já nos habituaram.


De seguida entram nas contas Irae, a banda encabeçada por Vulturius, um veterano do underground nacional, para apresentar o explosivo “Crimes Against the Humanity”, lançado no passado ano de 2017 e que já passou por vários palcos desde então. E presenteiam-nos com aquilo que fazem melhor, um som explosivo e veloz de Black Metal puro, sem rodeios, repleto de riffs tremendos, excelentes hooks e momentos de headbanging incessante.

Abrem as hostilidades com a frenética “In the Name of Satan” e prosseguem pela ordem do álbum até à terceira faixa. Aqui, tal como prometido, tocam a primeira música de material antigo, a primitiva e não menos demoníaca “Fátima em Chamas”, da split com Velório. Retornam mais uma vez ao álbum que apresentam com a “The Tongue of Fire”  para de seguida nos presentearem novamente com quatro musicas anteriores no catalogo da banda: a gelada “Order of the Black Goat” do álbum de estreia “Terror 666”, a “Ira Nasce nas Noites de Sintra” da split com Inthyflesh e do terceiro álbum da banda, que Vulturius introduz gritando ferozmente e cheio de desdém, “Morte ao homem e viva a Serra de Sintra”; o tributo às bandas da primeira vaga de Black Metal, “Prime Evil Black Metal” repleta de contagiantes riffs do mais primitivo que Black Metal pode ser; e, por fim, a faixa “Death to Humanity”, das primeiras compostas por Vulturius, do demo de estreia da banda, proporcionando um momento único à plateia com os seus riffs negros e hipnotizantes e a sua bassline afiada.

Após esta viagem pelo passado a banda retornou ao álbum, cheia de energia, particularmente Vulturius, que manda um berro de raiva ensurdecedor no final da punk-ish “Da Brandoa com Ódio”. Para finalizar, a banda toca “Mastergoat”, a faixa mais rápida e pesada do álbum de um Black Death caótico, um blitzkrieg sonoro, seguida da faixa de encerramento do álbum, não menos agressiva e veloz. Foi de facto uma prestação brilhante de Irae, sem os problemas que presenciamos, infelizmente, com Black Howling, e com uma tremenda proficiência por parte, principalmente, de Vulturius e do baterista que regalava todos com fills tremendas e ótimos pormenores que acrescentava aos blast beats sem nunca errar uma batida.


Texto por Filipe Mendes
Agradecimentos: Notredame Productions