• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Retro vintage, here we go. O início de “Malstroem”, abre as honras de “Nucleus”, o quinto álbum de originais dos suecos Witchcraf, promove o cruzamento descarado entre os Jethro Tull e os Iron Maiden dos primórdios misturado com uns Witchfinder General, algo que se calhar não pensaríamos que soasse bem mas que resulta na perfeição, pelo menos por aquilo que podemos ouvir aqui. Uma sensibilidade que apenas a música da década de setenta pode demonstrar, com um espírito algo metal mas ainda mais hard rock surge de vez em quando. É essa sensibilidade que sustenta praticamente este álbum.

É um trabalho que vê a banda voltar às raízes das suas influências – sendo que Black Sabbath é sempre uma referência obrigatória. No entanto, essa referência não surge de forma descarada, ou seja não o caso de termos colagens descaradas (ou mesmo roubos) a algum trabalho específico da mítica banda de heav/doom metal. O que se nota perfeitamente é que existe o objectivo claro de tentar capturar um ambiente e que neste caso tal é atingido de forma sublime. Ouvir o tema título, por exemplo, é algo que nos transporta imediatamente para a dita década de uma forma diferente da habitual. Sem cheiro a mofo o déjà vús. Aliás, esta é uma sensação que se repete bastantes vezes ao longo deste trabalho.

São quase setenta minutos de um esbanjamento de classe e boa música de uma forma criminosa (com tanta banda pobrezinha a precisar de um pouco de talento e estes com tanto) que faz com que este álbum se torne essencial para todos os que gostam de música em pesada clássica. Dificilmente será algo que conseguirá cativar os que gostam de coisas mais extremas mas para quem aprecia a década de setenta como um todo e como uma fonte de música rica, principalmente os que gostam que se junto um certo espírito folk ao proto-doom ou proto-heavy metal ou simplesmente hard rock. Um grande álbum em qualquer altura, em qualquer ano, porque é como o heavy metal ou o rock: intemporal.


Nota: 9/10

Review por Fernando Ferreira