• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Não é novo por nós termos uma banda que é rotulada como death metal melódico quando aquilo que temos é bem mais próximo do metalcore. Esta não é uma questão nova, na realidade é bem recorrente, mas não é por implicância. Temos aqui este trabalho dos The Unguided que se encaixa dentro daquilo que começámos amar odiar acerca do estilo. As regras do death metal melódico é basicamente pegar na fórmula das harmonias de guitarras dos Iron Maiden e aplica-las ao death metal sueco (ou outro qualquer tipo de death metal) et voilá. No entanto, aquilo que “Lust And Loathing nos traz é algo que junta a força do hardcore, os pormenores electrónicos e as melodias fáceis do rock comercial (ou nu-metal) et voilá.

Coisas bastante distintas. Não estamos aqui para julgar, mesmo que se pense que, por o que foi dito atrás nesta crítica ou em outras, tenhamos a tendência para pender para o death metal melódico em termos de preferência. É apenas uma questão de validade, originalidade e a capacidade de se reinventar a si próprio. Enquanto o death metal melódico tem a capacidade de se reinventar sem sequer mudar muito o que está na sua base, já o metalcore por vezes encerra-se em becos sem saída, apresentando-nos aquilo que já nos apresentaram vezes em conta anteriormente. É nesse ponto que The Unguided nos surge. Logo ao primeiro tema, “Enraged”.

Todas as músicas parecem a mesma e se individualmente não temos nada a apontar no que diz respeito a produção, instrumental, voz, é na parte da composição que reside a principal desilusão. Todos os temas soam ao mesmo, a imitações daquilo que os Dark Tranquility fizeram na sua fase mais electrónica, misturado com o que os Linkin Park fizeram nos primeiros álbuns. Não é uma grande fórmula, embora produza os seus resultados – as músicas têm todas uma capacidade melódica bem acima da média – no entanto, o problema é que soa tudo ao mesmo, exceptuando temas como “Phobos Grip”, que é sem dúvida o mais metal e empolgante. É um álbum mediano, num estilo já esgotado e que não apresenta nada de novo, o que também joga a favor da previsibilidade.


Nota: 4.5/10

Review por Fernando Ferreira