• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Não é novo por nós termos uma banda que é rotulada como death metal melódico quando aquilo que temos é bem mais próximo do metalcore. Esta não é uma questão nova, na realidade é bem recorrente, mas não é por implicância. Temos aqui este trabalho dos The Unguided que se encaixa dentro daquilo que começámos amar odiar acerca do estilo. As regras do death metal melódico é basicamente pegar na fórmula das harmonias de guitarras dos Iron Maiden e aplica-las ao death metal sueco (ou outro qualquer tipo de death metal) et voilá. No entanto, aquilo que “Lust And Loathing nos traz é algo que junta a força do hardcore, os pormenores electrónicos e as melodias fáceis do rock comercial (ou nu-metal) et voilá.

Coisas bastante distintas. Não estamos aqui para julgar, mesmo que se pense que, por o que foi dito atrás nesta crítica ou em outras, tenhamos a tendência para pender para o death metal melódico em termos de preferência. É apenas uma questão de validade, originalidade e a capacidade de se reinventar a si próprio. Enquanto o death metal melódico tem a capacidade de se reinventar sem sequer mudar muito o que está na sua base, já o metalcore por vezes encerra-se em becos sem saída, apresentando-nos aquilo que já nos apresentaram vezes em conta anteriormente. É nesse ponto que The Unguided nos surge. Logo ao primeiro tema, “Enraged”.

Todas as músicas parecem a mesma e se individualmente não temos nada a apontar no que diz respeito a produção, instrumental, voz, é na parte da composição que reside a principal desilusão. Todos os temas soam ao mesmo, a imitações daquilo que os Dark Tranquility fizeram na sua fase mais electrónica, misturado com o que os Linkin Park fizeram nos primeiros álbuns. Não é uma grande fórmula, embora produza os seus resultados – as músicas têm todas uma capacidade melódica bem acima da média – no entanto, o problema é que soa tudo ao mesmo, exceptuando temas como “Phobos Grip”, que é sem dúvida o mais metal e empolgante. É um álbum mediano, num estilo já esgotado e que não apresenta nada de novo, o que também joga a favor da previsibilidade.


Nota: 4.5/10

Review por Fernando Ferreira