• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Process Of Guilt - Black Earth


Dephosphorus - Impossible Orbits


Samsara Blues Experiment - One With the Universe


Æther Realm - Tarot


Psygnosis - Neptune


Schammasch - The Maldoror Chants: Hermaphrodite


Altar of Betelgeuze - Among The Ruins


Nargaroth - Era of Threnody


Condor - Unstoppable Power


Holy Blood - Glory to the Heroes


The Flight of Sleipnir - Skadi


The Obsessed - Sacred


Necroblood - Collapse of the Human Race


Full of Hell - Trumpeting Ecstasy


Funeralium - Of Throes And Blight


Nightbringer - Terra Damnata


The Sarcophagus - Beyond This World's Illusion


Chaos Synopsis - Gods of Chaos


Farsot - Fail.Lure


Unearthly Trance - Stalking the Ghost


Daemon Forest - Dissonant Walk


The Ruins of Beverast - Exuvia


Novembers Doom - Hamartia


Funeral Tears - Beyond The Horizon



Summoner - Beyond the Realm of Light

Metal Imperium - Merchandise

.
Para encomendar, enviar email para: metalimperium@gmail.com

Concertos em Destaque

Visitantes

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































Queens of the Stone Age confirmados no NOS Alive'18

Os Queens of the Stone Age foram confirmados para a próxima edição do NOS Alive, que vai ocorrer entre os dias 12 e 14 de Julho de 2018(...)

Under The Doom V anuncia um cancelamento e respetiva substituição

O cartaz do Under The Doom V, que vai ocorrer entre os dias 30 de Novembro e 2 de Novembro, acaba de sofrer uma ligeira alteração. Os franceses Funeraliumoi (...)

Corrosion Of Conformity lançam novo álbum em Janeiro

Os americanos Corrosion Of Conformity estão a preparar-se para lançar, a 12 de Janeiro, o seu novo álbum “No Cross No Crown”, pela Nuclear Blast Entertainment. (...)

SWR Barroselas Metalfest revela primeiras confirmações

O festival SWR Barroselas Metalfest anunciou hoje as primeiras confirmações para a edição do próximo ano. O evento, que vai ter lugar de 27 a 29 de Abril(...)

Graveyard em Portugal - Revelada banda de abertura

Como é sabido, os suecos Graveyard vão atuar na sala Lisboa Ao Vivo, já no próximo dia 25 de Novembro. Os portugueses(...)


Não é novo por nós termos uma banda que é rotulada como death metal melódico quando aquilo que temos é bem mais próximo do metalcore. Esta não é uma questão nova, na realidade é bem recorrente, mas não é por implicância. Temos aqui este trabalho dos The Unguided que se encaixa dentro daquilo que começámos amar odiar acerca do estilo. As regras do death metal melódico é basicamente pegar na fórmula das harmonias de guitarras dos Iron Maiden e aplica-las ao death metal sueco (ou outro qualquer tipo de death metal) et voilá. No entanto, aquilo que “Lust And Loathing nos traz é algo que junta a força do hardcore, os pormenores electrónicos e as melodias fáceis do rock comercial (ou nu-metal) et voilá.

Coisas bastante distintas. Não estamos aqui para julgar, mesmo que se pense que, por o que foi dito atrás nesta crítica ou em outras, tenhamos a tendência para pender para o death metal melódico em termos de preferência. É apenas uma questão de validade, originalidade e a capacidade de se reinventar a si próprio. Enquanto o death metal melódico tem a capacidade de se reinventar sem sequer mudar muito o que está na sua base, já o metalcore por vezes encerra-se em becos sem saída, apresentando-nos aquilo que já nos apresentaram vezes em conta anteriormente. É nesse ponto que The Unguided nos surge. Logo ao primeiro tema, “Enraged”.

Todas as músicas parecem a mesma e se individualmente não temos nada a apontar no que diz respeito a produção, instrumental, voz, é na parte da composição que reside a principal desilusão. Todos os temas soam ao mesmo, a imitações daquilo que os Dark Tranquility fizeram na sua fase mais electrónica, misturado com o que os Linkin Park fizeram nos primeiros álbuns. Não é uma grande fórmula, embora produza os seus resultados – as músicas têm todas uma capacidade melódica bem acima da média – no entanto, o problema é que soa tudo ao mesmo, exceptuando temas como “Phobos Grip”, que é sem dúvida o mais metal e empolgante. É um álbum mediano, num estilo já esgotado e que não apresenta nada de novo, o que também joga a favor da previsibilidade.


Nota: 4.5/10

Review por Fernando Ferreira