• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Reviews Mais Recentes


Rasgo - Ecos da Selva Urbana


Terror Empire - Obscurity Rising


Painted Black - Raging Light


Wolves in the Throne Room - Thrice Woven


Celeste - Infidèle(s)


Moonspell - 1755


Battle Dagorath - II - Frozen Light of Eternal Darkness


Kalmankantaja - Routamaa


Archspire - Relentless Mutation


Tod Huetet Uebel - N.A.D.A


Benthik Zone - Via Cosmicam ad Europam ab Gelid Inferis


Acherontas - Amarta अमर्त (Formulas of Reptilian Unification Part II)


Progenie Terrestre Pura - oltreLuna


Vita Imana - El M4l


Overkill - The Grinding Wheel


Time Lurker - Time Lurker


Warbringer - Woe to the Vanquished



Akercocke - Renaissance in Extremis


Neige et Noirceur - Verglapolis


Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































System of a Down têm músicas novas

Afinal não há nenhum problema com os System of a Down. É Serj Tankian quem o afirma, numa entrevista recente concedida à Rolling Stone. Na verdade a banda tem músicas novas, (...)

Simbiose, Alien Squad, Dokuga atuam no Porto em fevereiro

Os nacionais Simbiose, Alien Squad e Dokuga vão tocar no Metalpoint (Porto), no dia 3 de fevereiro do próximo ano.(...)

Hourswill apresentam novo álbum na companhia dos Inner Blast, The Chapter e Scarmind

Os Hourswill apresentam ao vivo o seu mais recente álbum, "Harm Full Embrace", dia 13 de janeiro, no RCA Club em Lisboa.(...)

Kamelot lançam novo vídeo e revelam novidades para 2018

Os Kamelot disponibilizaram o novo vídeo do tema "Under Grey Skies", que conta com a participação da vocalista dos Delain, Charlotte Wessels.(...)

Graveyard a gravar novo álbum

Os suecos Graveyard encontram-se nos Park Studios, em Estocolmo, a gravar o seu próximo álbum de estúdio, sucessor de "Innocence and Decadence", lançado no ano 2015. (...)


Ninja é um grande nome. Daqueles pelo qual vale a pena lutar até à morte apenas para registá-lo e garantir os direitos. É um nome tão bom que deixa expectativas altas de mais para a música em si. A banda é alemã e pode-se dizer que é daquelas clássicas (não no bom sentido e se querem perceber o alcance desta afirmação, verifiquem por favor as fotos existentes na internet, principalmente aquela que surge no Metal Archives. Já lá foram? Tenebroso não é) bandas alemãs que existiram na década de oitenta, lançaram um ou dois álbuns na sua primeira encarnação e voltaram à carga uma ou duas vezes depois.

A banda lançou dois álbuns, um em 1988 e outro em 1992, voltou em 1997 para lançar o terceiro (uma encarnação que se verificou apenas nesse ano) e depois em 2014, quando lançou este "Into The Fire" que agora é reeditado (repescado) pela Pure Steel Records (who else?!) E... não está à altura do grande nome ninja. A oscilar ali entre o hard e o heavy, muitas vezes caindo no inerrável (como a "Always Been Hell), "Into The Fire" por vezes dá ideia que vai apresentar algo bom mas nunca chega a fazê-lo mesmo. A fórmula mais certa da banda é o midtempo aborrecido, como a primeira faixa "Frozen Time" mostra - e bem, parece que o tempo pára enquanto se ouve a dita música. E não é bonito.

Em alguns momentos a coisa anima mais ("Thunder", "Last Chance" e "Sledgehammer") mas na generalidade, é apenas aborrecimento atrás de aborrecimento. Compassado ("Vagabond Heart"), pomposo ("Masterpiece"), quase bom ("Hot Blond Shot"), a copiar os Accept, mas em mau ("Blood Of My Blood" e "Coward") e até o azeiteiro (o tema título). É um álbum que os apreciadores menos exigentes de hard'n'heavy poderão apreciar, mas que a maior parte já não tem paciência. Faria muito sucesso por algumas semanas décadas atrás, quando o acesso à música era precário. Agora? Custa até ouvir até ao final.


Nota: 4/10

Review por Fernando Ferreira