• Facebook
  • Myspace
  • Twitter
  • Google+

Candidata-te

A Metal Imperium encontra-se a recrutar colaboradores para redação de notícias, reviews de álbuns ou entrevistas a bandas.

Quem quiser fazer parte desta equipa poderá candidatar-se contactando-nos por email: metalimperium@gmail.com



Reviews Mais Recentes

Uada - Cult of the Dying Sun


Occultum - In Nomine Rex Inferni


Monolithe - Nebula Septem


Morag Tong - Last Knell of Om


Haunted - Dayburner


Djevel - Blant Svarte Graner


Raw Decimating Brutality - Era Matarruana


Czort - Czarna Ewangelia


Kinetik - Critical Fallout


Dopethrone - Transcanadian Anger


Abhor - Occulta ReligiO


Refuge - Solitary Men


Sevendust - All I See Is War


Black Fast - Spectre of Ruin


Sleep - The Sciences


Tomb Mold - Manor of Infinite Forms


Taphos - Come Ethereal Somberness


Wrath Sins - The Awakening


Judas Priest - Firepower


Bleeding Through - Love Will Kill All


Ihsahn - Àmr


Alkaloid - Liquid Anatomy


Filii Nigrantium Infernalium - "Fellatrix


Amorphis - Queen of Time


Ghost - Prequelle


Angelus Apatrida - Cabaret de la Guillotine


Bleed From Within - Era


Painted Black - Raging Light


Necrobode - Metal Negro da Morte


Pestilence - Hadeon


Tortharry - Sinister Species


Inframonolithium - Mysterium


Somali Yacht Club - The Sea


Dallian - Automata


Total Pageviews

Concertos em Destaque

Tradutor

Entrevistas Mais Recentes



































The Sword vão entrar num hiato

Corte quase fatal no futuro dos The Sword, uma vez que a banda texana anunciou há dias que fará uma pausa, embora tenha lançado ainda em março (...)

Hate Eternal lançam áudio de "Nothingness of Being"

A banda de death metal irá lançar o novo álbum, Upon Desolate Sands, a 26 de outubro através da Season Of Mist. Depois de desvendar (...)

Alterações no alinhamento do Festival Bardoada e Ajcoi

O Festival Bardoada e Ajcoi anunciou a substituição de duas das bandas previamente confirmadas. (...)

Marky Ramone em Portugal no próximo mês

O veterano Marky Ramone tem dois espectáculos marcados para o nosso país, que serão nada mais, nada menos, do que o warm up para o Lisbon Tattoo Rock Fest 2018. (...)

Behemoth lançam nova música "Wolves Ov Siberia"

"Wolves Ov Siberia", o novo vídeo de Behemoth, pode ser visto acima. A música faz parte do próximo álbum da banda, "I Loved You At Your Darkest", (...)


Blaze Bayley é um nome que veremos sempre associado aos Iron Maiden e talvez, os anos em que esteve como frontman desses gigantes do Metal, tenham sido o apurar de sentidos e aptidões que Blaze tem e que conferem a este segundo disco da triologia “Infinite Entaglement", provavelmente, um dos melhores trabalhos já realizado por ele.

“Endure and Survive” mostra-nos um registo mais obscuro que o seu antecessor, com muitas influências de Power Metal, não sendo estas nada estranhas para Blaze e para a banda que lhe serve de suporte, os Albsolva, que acabam por ter um trabalho essencial neste registo, onde Chris Appleton se destaca como produtor.

Bayley é nitidamente um admirador de aventuras Sci-fi e isso reflecte-se nos seus trabalhos. “Endure and Survive” e “Escape Velocity” são os dois primeiros registos deste disco e onde se notam bem muitas influências da “Dama de Ferro” e dos tempos que Blaze por lá passou, dois temas bem construídos, com riffs que entram bem no ouvido, refrões encorpados e onde se nota que Bayley (não sendo um Dickinson) tem um grande contributo vocal é uma das boas vozes do cenário metaleiro mundial.

Tema após tema vamos descobrindo um disco bem pensado, construído à volta da voz de Blaze, sendo que temas como “Blood”, “Dawn of the Dead Son”, Fight Back” ombreiam em qualidade com os primeiras duas músicas. “Destroyer”, “Eating Lies”, “The World is Turning the Wrong Way” são temas menos electrizantes, mas que não ficam nada mal no alinhamento.

Não fosse este um disco cuja génese é a ficção científica e “Remember” transportar-nos-ia para o convés de um qualquer navio pirata, com as suas influências Folk, um tema que destoa dos restantes mas que cabe na perfeição na história deste álbum. 

“Together We Can Move the Sun” encerra o álbum, sendo este o tema ao qual cabe fazer as honras de embalar o ouvinte, talvez com o intuito de nos deixar a pensar no que acabámos de ouvir.

Blaze Bayley consegue com este segundo capítulo da trilogia um bom registo, bem tocado, bem composto, bem produzido e abre-nos o apetite para o seu sucessor que, se seguir a mesma linha, podemos esperar mais um álbum forte.

Nota: 8.3/10

Review por Hugo Félix